Cultura
16/03/2017 16h48

Livro conta historia da família Genoino muito além das manchetes

“O vôvi é a nossa felicidade, e ele ficou lá preso, fechado, então a nossa felicidade estava fechada. Ainda bem que ele saiu”, a frase é da neta de José Genoíno, Paula, e dá o título ao livro de sua mãe, Miruna, Felicidade Fechada. O relato corajoso de Miruna se converteu em uma obra que retrata a história da família Genoíno, mas, de certa forma, um período obscuro da história do Brasil.

Por Mariana Serafini


Cultura
14/03/2017 12h51

Libertadoras da América: 6 mulheres que lutaram pela independência

Elas não só estiveram nas frentes de batalha como participaram assumindo outros tantos papeis para a formação das novas pátrias na América Latina. Nos livros de História, no entanto, há pouca ou nenhuma menção às mulheres que participaram das lutas pela independência no século 19 na região.

Por Marcelle Souza


Cultura
11/03/2017 0h00

Toni C.: A cidade cinza do João trabalhador, cores e valores

Já pensou um prefeito no Rio de Janeiro como um de seus primeiros atos, ordenar a retirada do Cristo alegando que a estátua está em desacordo com suas crenças religiosas? Pior, o próprio anticristo convertido em chefe da cidade, indo em pessoa dar fim ao Redentor de pedra sabão no alto do Morro do Corcovado? A cidade, o estado e o país não deixariam passar batido uma atrocidade dessas, concorda?


Cultura
10/03/2017 13h16

8 de Março: A cada 10 músicas uma mulher é homenageada

“Vai ser coxo na vida é maldição pra homem. Mulher é desdobrável, Eu sou”, versou Adélia Prado no poema Com Licença Poética. Mulher é Capitu, é Maria da Vila Matilde, é Coisa Feita, Nome Sagrado. Quer beijos, tem desejos, Cio, é musa, é rainha, desagua de rir e de chorar em Milágrimas porque a Vida nos fez assim. Mas Si Mi Rélá vai ter. Traduzindo essa comoção em sons, o Portal Vermelho compartilha 10 canções para março, abril, maio, junho, julho...

Por Railídia Carvalho 


Cultura
10/03/2017 13h01

Mulheres latinas cantam a revolução que se pode dançar

Ao pensar em Cumbia e Reggaeton dificilmente associamos estes ritos a letras engajadas em questões sociais. Mas algumas mulheres latino-americanas romperam com este padrão e mostram que música “callejera” (das ruas) e revolução estão mais próximas do que se imagina. “É uma revolução que você pode dançar”, diz a apresentação da cantora argentina La Yegros.

Por Mariana Serafini


Cultura
10/03/2017 11h07

Bárbara de Alencar, a primeira republicana das Américas

A expressão “à frente de seu tempo” não se aplica tão bem a alguém como a Bárbara de Alencar. Revolucionária em todos os sentidos da palavra, ela contestou os padrões de sua época e por conta disso foi a primeira presa política do Brasil, no início de 1800. Sua participação ativa na sociedade também a fez a “primeira republicana nas Américas”.


Cultura
10/03/2017 9h48

Dezesseis filmes e séries que abordam temas para as mulheres

Cada vez mais os aspectos da vida das mulheres são abordados no cinema com um olhar “feminino” sobre a questão. Ou seja, sem os estereótipos perpetuados há décadas nesta indústria.


Cultura
09/03/2017 19h20

Livro infantil contando a história do Dia da Mulher será lançado em BH

Será lançado em Belo Horizonte, no próximo sábado (11), o livro "Mirela e o Dia Internacional da Mulher", que tem o objetivo de conscientizar ainda nos primeiros anos de vida sobre a importância desta data. Escrito pela neta de Luiz Carlos Prestes, a cientista política Ana Prestes, a publicação surgiu diante da inexistência de literatura infantil sobre o tema.


Cultura
08/03/2017 20h17

Henfil - carta a Elis Regina

Uma semana depois da morte de Elis Regina, 19 de janeiro de 1982, o cartunista Henfil publicou na página da revista IstoÉ onde publicava suas charges e as famosas Cartas da Mãe",  uma homenagem à cantora. Na carta Henfil fala sobre a vida e a morte daquela que enfrentou o machismo em sua breve vida. A carta é muito atual e tem muito a ver com a luta das mulheres contra a violência, a misoginia e o machismo de que são vítimas.

Leia abaixo a réplica da carta:


Cultura
08/03/2017 15h09

Discurso da primeira mulher ministra da história permanece atual

“A lei equipara a mulher em direitos, mas a realidade ainda não a libertou: as operárias e camponesas continuam sujeitas ao trabalho doméstico como escravas da própria família”, este é um trecho do discurso da primeira mulher ministra do mundo, Alexandra Kollontai, em 1918. Quase cem anos depois, a luta por direitos iguais, valorização e divisão do trabalho doméstico ainda é a uma realidade para mulheres de todo o mundo.