Vermelho

www.vermelho.org.br

20/05/2019

Mais de um milhão de bolivianos pedem "Evo outra vez" 

Um anúncio de alegria irrompeu mais de um milhão militantes do MAS, movimentos sociais, indígenas e camponeses e proletários, bem como profissionais, professores e mineiros que se reuniram nos cinco quilômetros, onde 20 telas gigantes e dezenas de alto-falantes foram instalados.

Mineiros, agricultores, operários, trabalhadores do petróleo, professores, atletas, estudantes e deficientes expressaram sua lealdade ao presidente boliviano, que nos últimos 13 anos conseguiu reduzir, via as políticas de combate à pobreza e de cuidados com a desigualdade para os setores mais carentes, bem como programas sociais implementados com recursos gerados pela nacionalização de recursos naturais e recuperação de empresas estratégicas.

“Irmão presidente, aqui é o seu povo. Este é o povo que diz sim, que tem de continuar com presidente, irmão Evo”, gritou Pedro nativo de Tarijeño Chaco, que elogiou a nacionalização dos hidrocarbonetos pelo impulso registrado na região de Enriquez ao sul do país.

Com a nacionalização dos hidrocarbonetos, o boom nas exportações de mineração e hidrocarbonetos e a implementação de uma ampla gama de políticas de proteção social ajudaram a economia boliviana a crescer a uma taxa sem precedentes, que nos últimos anos a levou a ocupam o primeiro lugar em crescimento acima de 4,5%.

Com música dos grupos folclóricos Arawi e Valeno, Chimoré se tornou o epicentro da decolagem da campanha boliviana para as eleições presidenciais. A manifestação foi registrada como a maior da história eleitoral da Bolívia, ao congregar Presidente de “mais de um milhão” pessoas que pedem “Evo de novo”. Fazendo ecoar naquela região considerada como o reduto do MAS.

A manifestação aconteceu um dia depois da visita histórica do Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, que disse ser absolutamente discriminatório falar que o presidente não pode participar das próximas eleições marcadas para o próximo dia 20 de outubro.

O líder indígena chegou em 2006 à presidência do Estado com 54% dos votos a seu favor e foi reeleito em 2009 e 2014 com mais de 60%. Desde 2006, a Bolívia está em um caminho de transformação social, política e social. econômico, que consolidou o país como líder no crescimento econômico regional.

A concentração maciça que marcou o início da campanha demonstrou a musculatura política do governante a caminho de sua quarta indicação presidencial, bem como a participação de representantes de organizações sociais e políticas de países da região.

Caminho sem volta

Morales exaltou, durante um discurso vibrante no comício as conquistas de seus 13 anos de governo, incluindo o crescimento sustentado da economia, a industrialização dos recursos naturais, que implica a superação do tradicional e repudiado Estado extrativista e o inédito, até 2005, da vertebração da rodovia do país.

O Chefe de Estado venceu com facilidade as eleições presidenciais de 2005, 2009 e 2014, além do referendo incentivado pela oposição conservadora para revogar seu mandato em 2008, quando recebeu o apoio de 67 de cada 100 bolivianos.

“Amigo Evo, a Bolívia está com você” era um dos refrões mais cantados por milhares na planície do aeroporto, onde não só trajes tradicionais de todas as regiões do país, mas também dança, bandas com tambores, trombetas e címbalos, e grupos indígenas foram com ‘pututus’ e tambores, bem como batucadas formadas por membros do “jovens do MAS”.


Em um discurso esclarecedor, o presidente agradeceu a grande concentração e afirmou que um milhão de bolivianos chegaram para defender o processo de mudança, porque a Bolívia tem muita esperança:

“Antes (…) eles disseram que um milhão rejeitava Evo, imagine agora, aqui são um milhão para defender o processo. Aqui é a Bolívia para defender a revolução democrática e cultural porque temos resultados, mostramos ao mundo que a Bolívia tem muita esperança”, disse Evo.E continuou:“irmãs e irmãos estamos convencidos de que este processo é imparável, é um caminho sem volta”.

O Chefe de Estado chegou a essa concentração em uma motocicleta que transitando através de um túnel onde militantes levantavam suas bandeiras, aplaudiam e gritando: “Evo Evo”

“Irmãs e irmãos vieram aqui para se desenvolver, para a Bolívia ser uma potência econômica, neste ritmo a Bolívia será uma potência em questões econômicas, porque temos um grande plano para industrializar recursos naturais”, Seguiu o presidente, diante de um mar de bandeiras do tricolor, o whipala e o partido governante, que matizavam a paisagem.

No final do seu discurso, Morales com o vice-presidente Alvaro Garcia Linera e ministros acenaram as bandeiras do MAS para a batida da música “Nós somos mais” Arawi em seu refrão de duplo sentido: “mais, mais, estamos com MAS MAS, não nos submeteremos nunca mais “

Da mesma forma que tinha chegado, o presidente pegou uma motocicleta que o transportou até a porta do aeroporto. Milhares de pessoas correram ao seu redor para acompanhá-lo e tirou uma foto dele, no marco daquele dia sem precedentes.

Caravana para a grande vitória

Milhares de bolivianos partiram dos quatro cantos do país em direção ao aeroporto internacional da ‘Soberania’, localizada no município de Chimoré, 194 quilômetros da cidade de Cochabamba, com bandeiras de listras azuis, brancas e pretas, as cores do Movimento ao Socialismo-Instrumento para a Soberania dos Povos (MAS-IPSP), que lançou a campanha eleitoral do presidente Evo Morales e o vice-presidente Alvaro Garcia Linera, para eleições de 20 de outubro.


Um enorme comboio de homens, mulheres e crianças caminhou sob o sol escaldante a uma temperatura de até cerca de 30 graus. A multidão partiu tanto das terras altas, como La Paz, Oruro e Potosi, bemdo sul, ou seja, Tarija, Chuquisaca, ou outros do norte, Pando e Beni, bem como das vizinhas Santa Cruz e Cochabamba.

Coluna, semelhante a uma “maré azul” colorido por bandeiras do governo de esquerda, avançou esquivando grandes carros de transporte interestadual, veículos de serviço público e motocicletas , conduzida por moradores, ou caminhantes ou de “carona” para ir mais rápido ao ponto de concentração onde uma verdadeira festa intercultural era vivida.

“Somos mais de 500 pessoas que vêm para apoiar o nosso irmão Evo, porque ele trabalha para os pobres”. Assim proclamou mallku Ascencio Mamani com fadiga, aquecido por tecidos em vestuário multicoloridos de lã, típicos da região o ayllus do norte potosino, onde a temperatura é inferior a cinco graus centígrados, em algumas épocas do ano.

Ele disse que sua comunidade partiu na noite de sexta-feira (17) à do município de Chayanta, na província de Bustillos, de onde viajaram mais de 12 horas: “Queremos fazer parte deste início de campanha, porque graças ao presidente há tudo, agora temos estradas e obras”.

Ascencio andou constantemente sem perder de vista sua mãe t “alla, Paulina Choque, que interrompeu a breve conversa com o marido para explicar que vêm” de longe “para ver o irmão Evo e garantir que seus povos são com ele para continuar a governar o país.

Uma cerimônia inter-religiosa pela Amautas e sacerdotes de várias religiões que começou na campanha de lançamento já no aeroporto chamado de “Soberania” pela luta do povo para recuperar esse território onde a ‘Drug Enforcement Administration’ (DEA, por sua acrônimos em inglês). Naquela época, o órgão instalou uma base de operações com o pessoal estadunidense para a destruição de cultivos, com a execução de uma repressão violenta no Chapare por ordem dos Estados Unidos.

Durante os governos neoliberais, a DEA como parte da chamada guerra contra as drogas, ordenava a Policia Militar da Bolívia atacar, perseguir e matar os líderes e produtores de coca nos trópicos se fossem contra a erradicação de suas colheitas.

“Haviam constantes ataques durante esses anos sem piedade porque a polícia e os militares, sob ordem da DEA, geraram torturados e mortos vindos de plantadores de coca no Chapare . Os soldados estupraram e mataram os bolivianos, já que por ser estrangeiros não tinham nenhum remorso ”, explicou o vice-presidente do MAS-IPSP, Gerardo García.

Ele também lembrou que, quando Morales era um líder foi exilado, torturado, preso e perseguido, e até mesmo em uma ocasião, as mulheres em Villa Tunari, lutaram para evitar que fosse morto. Devido a essa interferência, o presidente anunciou em 2008 a expulsão da DEA e desde 2009 ele assumiu sua própria política antidrogas.

Racionalização, controle social, respeito aos direitos humanos e consulta são os pilares que sistematicamente possibilitaram a redução para quase 24.500 hectares, conquista reconhecida pelo ‘Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime’ (UNODC). O modelo soberano antidrogas tornou possível que atualmente a coca da Bolívia represente 10% da produção andina.

“Antes da DEA não eram autorizados a entrar nesta área que agora é o aeroporto de Chimoré , agora nós recuperamos a soberania e dignidade com nosso irmão Presidente”, lembrou o prefeito de Chimoré, Silveriano Lara, na véspera da concentração maciça nos cinco quilômetros da pista de pouso.

Amautas no oeste do país eles ofereceram um “k’oa”, também chamado de tabela contendo folhas de coca, alimentos doces e outros produtos que são queimados em um altar para dar-lhes como uma oferenda à ‘Pachamama’ (Mãe Terra) . Vale para todas as divindades andinas, para pedir sua proteção e bênção para os candidatos, com o objetivo de vencer no pleito político, marcado para outubro.