Vermelho

www.vermelho.org.br

18/06/2018

Moro interrompe testemunha para não ouvir o que ela pensa de Lula

Mais uma vez o juiz Sergio Moro interrompeu o depoimento do ex-presidente do PT e ex-deputado federal Rui Falcão para que ele não dissesse o que pensa sobre o processo contra o ex-presidente Lula. Falcão foi questionado sobre sua relação com o ex-presidente e respondeu estar preocupado, porque Lula está sendo perseguido para não ser candidato.

Rui Falcão falou por videoconferência da Justiça Federal de São Paulo. Zanin perguntou se durante a extensa trajetória política, Rui Falcão teve algum tipo de relação pessoal e política com Lula.

"Principalmente relação política. E, nessa relação, estou muito preocupado com o processo de perseguição que vem sendo movido contra ele. Coisas do Judiciário, da mídia... Cujo único objetivo é impedir que ele seja candidato a presidente da República e devolva ao Brasil a esperança que o povo tem", disse Falcão.

"Não é propaganda política aqui senhor Rui. Não é o momento de o senhor fazer isso", disse Moro, repetindo o discurso que sempre faz quando uma testemunha diz o que ele não gosta de ouvir.

Falcão rebateu dizendo que estava apenas respondendo à pergunta dos advogados no processo que o Ministério Público acusa o ex-presidente de ter recebido propina da Odebrecht e da OAS por meio da aquisição e de reformas do sítio. Lula já provou não ser proprietário do imóvel.

Não é a primeira vez que Moro se incomoda com a resposta de testemunhas. Recentemente, o jornalista e escritor Fernando Morais foi interrompido e repreendido por relatar uma situação que presenciou demonstrando o prestígio que o ex-presidente Lula tinha internacionalmente.

Na audiência desta segunda, Rui Falcão respondeu as perguntas da defesa e negou qualquer ato ilícito praticado por Lula ou pelo partido. Moro não quis fazer perguntas e nem o Ministério Púbico e o depoimento durou apenas sete minutos.

Moro também considerou prejudicado o pedido da defesa de Lula para ouvir Jacó Bittar, ex-sindicalista e amigo de longa data de Lula. O sítio de Atibaia é de Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar.

Moro disse que o depoimento de Jacó Bittar teria relevância duvidosa no caso, já que o processo envolve um filho dele, e que um depoimento por escrito prejudicaria a acusação.