Vermelho

www.vermelho.org.br

09/04/2018

PCdoB-CE analisa cenário político e discute projeto eleitoral

A Comissão Política do PCdoB-CE realizou, no último sábado (07), nova reunião. O encontro teve como pauta uma avaliação do quadro político, em especial dos últimos acontecimentos envolvendo o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, além do debate acerca do projeto do Partido para as próximas eleições.

Luis Carlos Paes de Castro, presidente do PCdoB-CE, iniciou sua intervenção fazendo um balanço do cenário político nacional e estadual. Para ele, o país vive dias atribulados, “em especial nesta última semana, desde o julgamento de Lula pelo STF; a decisão do juiz Sérgio Moro, decretando sua prisão; além do processo eleitoral, com diálogos e filiações, tendo em vista a disputa de outubro próximo”.

Pelo viés internacional, o dirigente destacou a acentuação da guerra comercial promovida pelos Estados Unidos contra a China; a guerra diplomática do Ocidente contra a Rússia a partir do envenenamento de um ex-espião russo e sua filha; e o desenrolar da questão coreana, com novos movimentos no sentido de aproximação e negociação entre as duas Coreias – do Norte e do Sul. “Todas estas questões envolvem e reforçam o papel da China na geopolítica internacional”, avalia.

No Brasil, Paes observa o acirramento da luta política. “Apesar de uma grande base partidária e parlamentar, o governo ilegítimo de Temer, com sua agenda antipopular e antidemocrática, não consegue evitar as inúmeras contradições de sua base nem consegue construir uma unidade mínima com seus apoiadores, visando às eleições de 2018”. Ele destaca também as renúncias de Geraldo Alckmin (PSDB), que entrega o governo de São Paulo para disputar a Presidência da República; assim como de João Dória, também do PSDB, que sai da prefeitura da capital e pleiteará o governo daquele estado, devendo enfrentar uma dura disputa para manter o controle do governo paulista nas mãos dos tucanos.

Fator Lula

Sobre os últimos acontecimentos envolvendo o ex-presidente Lula, Luís Carlos Paes criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal que, na última quarta-feira (04), negou o pedido de habeas corpus solicitado por sua defesa. “A decisão do STF, que tem o dever de defender a Constituição, acabou rasgando-a mais uma vez”. Ele condenou ainda a posição do TRF-4 e do juiz Sérgio Moro, que anteciparam a prisão de Lula antes mesmo de concluídos todos os recursos a que a defesa do ex-presidente ainda tinha direito. “A verdade é que todo este processo é marcado por ilegalidades, desde o início, já que ele deveria ter sido julgado em São Paulo, onde fica o tal triplex, objeto da ação, e não em Curitiba, sem falar da total ausência de provas que justifiquem a condenação”.

Paes avalia como “correta” a decisão de Lula de não se entregar à Política Federal no prazo estipulado por Moro. “Sua resistência contribuiu para a mobilização intensa que vimos em todo o país e a grande repercussão internacional, tudo realizado em menos de 24 horas. Sua atitude corajosa e determinada obteve apoio de partidos, parlamentares, das forças democráticas e progressistas, mobilizando milhões de pessoas nas ruas do Brasil e em vários países. O dia 6 de abril de 2018 ficará marcado na História do país como um momento de grande resistência do nosso povo, que decretou mais uma derrota da direita, quando Lula aparece como um gigante e Moro cada vez menor”.

O presidente do PCdoB-CE considera que, “mesmo com as mobilizações o cenário ainda é desfavorável, o que exige muita luta e capacidade política” para reverter o desânimo e desencanto de parcela da sociedade para com a política, fazer crescer o sentimento de unidade do povo e das forças democráticas em defesa da Constituição, do Estado Democrático de Direito e da realização das eleições em outubro próximo. “As forças democráticas e populares têm que mobilizar de forma ampla e enérgica o povo sem, entretanto, cair nas provações da direita nem adotar posturas aventureiras, descoladas do curso da luta política”.

Ele acrescenta ainda que “precisamos avançar mais, reforçar as diversas frentes dos movimentos sociais, a atuação no parlamento, na gestão e na luta de ideias, esforço que deve ser compartilhado por todos os quadros e militantes do Partido. É nossa tarefa imediata organizar melhor os comitês municipais e as bases partidárias, preparando o coletivo para esse momento que exige mais rapidez na ação, amplitude e sabedoria política, sem o que não estaremos à altura dos confrontos e embates que se desenvolvem. As forças conservadoras e de direita só serão derrotadas através de uma sólida união e muita luta de todos os setores democráticos e patrióticos”, assevera.

Ceará em debate

No Ceará, reforça Paes, está mantido o projeto eleitoral de garantir as atuais vagas nas casas legislativas e buscar ampliar o espaço do Partido nos parlamentos estadual e federal. “Para isto, estamos trabalhando e dialogando com aliados tendo como foco viabilizar o nosso projeto. Este é um processo que ainda está em construção e que, daqui para frente, se consolidará”, informa.

Mais

Sobre o caso de José Hilson de Paiva, médico e prefeito de Uruburetama, os membros da Comissão Política do PCdoB-CE aprovaram, por unanimidade, uma suspensão preventiva por até 120 dias, a partir deste sábado (7 de abril). Nesse período, de acordo com os estatutos, será instaurado processo disciplinar, sob a responsabilidade da Comissão Estadual de Controle que, ao final de seus trabalhos e após ouvir todas as partes e, assegurando o mais amplo direito de defesa, apresentará suas conclusões para que o pleno do Comitê Estadual possa decidir adequadamente sobre o caso.

Ao longo do dia foi aberta a fase de intervenções, onde os comunistas puderam debater, opinar, apresentar informes e interagir coletivamente