Vermelho

www.vermelho.org.br

01/09/2017

Niterói é a primeira cidade do Rio de Janeiro a ter um Conselho LGBT

A cerimônia de posse dos conselheiros foi realizada na segunda-feira (28) e contou com a participação do prefeito Rodrigo Neves. O conselho LGBT reúne integrantes da sociedade civil organizada e representantes de secretarias de governo municipais, possuindo como principal objetivo o combate ao preconceito, às desigualdades, à violência e a busca da inserção da população LGBT no mercado formal de trabalho

Por Alessandra Monterastelli *

“É elogiável a atitude do nosso prefeito e sobretudo a luta que leva isso a se tornar um fato, encontrando um governo amistoso e que promove os direitos humanos, mas ao mesmo tempo significa fato grave que Niterói seja a primeira cidade do Estado do a ter um Conselho LGBT empossado. Significa que essa luta, que é dura, cotidiana e que ceifa vidas, ainda tem muito o que percorrer para que direitos sejam de fato respeitados. A gente deve seguir lutando com cada vez mais força usando elementos deste conselho”, declara o vereador Leonardo Giordano (PCdoB), um dos fundadores do Grupo Diversidade Niterói (GDN) e da Parada LGBT na cidade, ressaltando o desafio que ainda se tem pela frente. Giordano participou da cerimônia de posse do Conselho Municipal dos Direitos LGBT, que aconteceu no Solar do Jambeiro. 

O Conselho é o primeiro no Estado do Rio de Janeiro, além de ser presidido por uma mulher transexual, Bruna Benevides. 

A presidenta do coletivo fez um diagnóstico das políticas públicas para LGBT no Estado e na cidade. “Me sinto honrada por ser a primeira travesti presidenta deste Conselho, primeiro do Estado e quarto do Brasil, neste momento em que vemos o desmonte da política pública LGBT. Aqui em Niterói, infelizmente, nós temos um centro de cidadania que praticamente não funciona. O Rio sem Homofobia está na UTI e precisando de nossa ajuda. O Conselho surge com essa obrigação de assumir os casos de violência e de violação dos direitos humanos que são diários na nossa cidade”.

Bruna, que também faz parte das duas maiores redes nacionais, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), afirmou ainda que não há mais nenhuma possibilidade de regredir. “A partir de agora continuaremos avançando firmes e fortes nessa luta que não se iniciou hoje. Pra nós estarmos aqui hoje muito sangue foi derramado, muitas pessoas foram perseguidas, morreram e tiveram seus direitos negados. Hoje é um dia importantíssimo pra que a gente não perca a nossa história, pra que saibamos de onde nós viemos e onde nós queremos chegar”.

Primeiro prefeito de Niterói a participar da Parada LGBT de Niterói, segundo maior evento da cidade em aglomeração de pessoas, Rodrigo Neves afirmou que a cidade vai vencer a batalha contra a homofobia. “A oficialização do Conselho e a posse da Bruna como presidenta não é um favor do prefeito, é uma conquista do movimento LGBT de Niterói e dessa militância que luta, que resiste e que participa”.

Dentre as atribuições do Conselho estão desenvolver ação integrada e articulada com as secretarias e demais órgãos públicos visando implementar políticas públicas comprometidas com a superação das discriminações e desigualdades devido à orientação sexual e identidade de gênero.