Vermelho

www.vermelho.org.br

12/08/2017

Após comprar deputados e cortar Bolsa Família, Temer congela salários

Em mais uma medida de seu "ajuste fiscal" relativo, Michel Temer deve congelar o salário de servidores em 2018. A medida deverá atingir professores, militares, policiais, auditores da Receita Federal, peritos do INSS, diplomatas e oficiais de chancelaria e carreiras jurídicas. Outras categorias poderão ser incluídas. Com ela, o governo pretende economizar R$ 9,8 bilhões.

Nesta semana, a equipe econômica do governo anunciou a revisão da meta fiscal para um rombo de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões, correndo o risco de aumentar. O núcleo político do governo defende que ela vá ainda para R$ 170 bilhões.

No "ajuste" de Temer para equilibrar as contas, ele gasta bilhões em emendas parlamentares e favores para comprar o apoio de deputados a fim de se salvar de denúncia de corrupção no Congresso, enquanto corta recursos do programa Bolsa Família, e aumenta impostos que atingem diretamente a população, como o do combustível.

Nesta sexta-feira (11), a presidenta deposta Dilma Rousseff definiu como "estarrecedor" o corte do Bolsa Família por Temer, depois de ter gastado R$ 14 bilhões para salvar a própria pele.