Vermelho

www.vermelho.org.br

20/11/2016

Ricardo Corrêa: Zumbi dos Palmares e os imbecis 

Nada mais oportuno do que um texto direcionado àqueles que insistem em desconstruir a importância do dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, comemorado no dia 20 de novembro. Para isso me vem à lembrança uma das passagens da obra “Pele Negra, Máscaras Brancas” do intelectual antilhano Frantz Fanon. “Há imbecis demais nesse mundo”, escreveu o autor. Concordo.

Por Ricardo Corrêa* 

Exemplo disso são os críticos que sempre se opõe a qualquer movimento que busque o empoderamento da população afrodescendente; seus argumentos denunciam a imbecilidade presente que os caracteriza. Nesse grupo encontramos negros tentando forjar uma identidade que os afastem da descendência africana, e os não afrodescendentes que elaboram discursos ignorando a existência do racismo no Brasil. Em ambos os casos, existe o consenso de que a comemoração da “Consciência Negra” é uma forma de discriminação com a população que não é afrodescendente, reforçando a tese do “racismo reverso”.

Essa tese poderia encontrar sentido se tivesse sido os brancos europeus, arrancados da própria pátria e vítimas da escravidão sob o comando dos negros africanos no Brasil. Quem sabe nessa realidade imaginária, surgiria um líder em algum quilombo – em São Paulo, seria simbólico – organizando a luta contra o regime escravagista. No entanto, esse enredo faz parte da história dos negros.

Foram eles que tiveram a raça aviltada por quase quatro décadas. E os brancos, algozes da população africana, violentaram seus corpos, sua cultura e a sua moral.

Somente com Zumbi, surgiu a esperança concreta de liberdade e vida digna. Assim, os fugitivos das senzalas buscavam refúgio no Quilombo dos Palmares, onde Zumbi construíra um modelo de sociedade na qual a produção e as riquezas eram igualmente divididas. A Casa Grande surtou!

Em 1694, o Quilombo dos Palmares foi atacado sob o comando do bandeirante paulistano Domingos Jorge Velho. Nesse ataque, Zumbi escapou com alguns ferimentos, mas no dia 20 de novembro de 1695, foi capturado e morto. Decapitaram a sua cabeça e a expuseram em praça pública para intimidar os negros que persistissem na luta pela liberdade.

A comemoração da “Consciência Negra” visa reavivar a memória de Zumbi dos Palmares e incitar a toda comunidade, reflexões sobre as condições que estão postas no cotidiano dos afrodescendentes, e os caminhos para a superação nos campos da cultura, educação, saúde, economia, segurança etc.

Não há dúvidas de que o racismo continua presente, e as formas de violência com a população negra assumiram novas características, sem perderem a essência do período escravagista. Portanto, essa situação faz da vigilância, uma premissa; e a luta pela cidadania, demanda inadiável.

Sendo assim, a celebração do dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra é um movimento consciente que supera a qualquer discussão imbecil.