Vermelho

www.vermelho.org.br

09/05/2014

Urariano Mota: Machado de Assis facilitado para leitura

Urariano Mota, escritor e jornalista pernambucano, em sua coluna “Prosa, Poesia e Política”, analisa o lançamento de O Alienista, de Machado de Assis, reeditada pela escritora Patrícia Secco, que alega ter atualizado a linguagem do maior escritor brasileiro para facilitar a leitura dos jovens. “Mas o pior é que ela não entrega o prometido. Ninguém pode simplificar Machado de Assis pela substituição de palavras”, disse.

Por Ramon de Castro, para a Rádio Vermelho

“Patrícia acha que pode substituir um adjetivo por seu sinônimo. Mas o sinônimo em literatura é perigoso ou um desastre”, falou Urariano.

Para Mota, simplificar Machado é o mesmo que esconder dos jovens o melhor do escritor, porque não se acredita que os jovens sejam tão inteligentes quanto o simplificador. “Imaginem, é exatamente o contrário. Note-se que o problema não é só de forma, de linguagem, dos dribles, firulas e recursos de linguagem, é da visão de mundo informada nessa prosa. A sua ‘persona’ mais usual, como narrador, é a de um homem cético, cruel, fino e zombeteiro. Como se lembrasse, aqui e ali, ‘meninos, eu conheço, eu sei aonde vai dar essa estrada’”, disse.

“Isso é impossível de simplificar”, completou. “A menos que seja uma traição do original, vendida com propaganda enganosa”.

Ouça a coluna de Urariano Mota na Rádio Vermelho: