29 de abril de 2008 - 11h30

Delegação do PCdoB chega à Coréia do Norte nesta quarta-feira


O Partido Comunista do Brasil mantém relações de amizade e cooperação com o Partido do Trabalho da Coréia desde a década de 50. Desenvolveu ampla campanha de massas em solidariedade ao povo coreano por ocasião da guerra de libertação da Coréia, de 1950 a 1953.

 

Mais recentemente, as relações se estreitaram quando da visita de João Amazonas e sua companheira, Ediria Carneiro a Pyongyang em abril de 1992, acompanhados de Haroldo Lima, , durante o Seminário de Partidos Comunistas e Operários convocado pelo PT da Republica Popular Democrática da Coréia. A delegação do PCdoB foi então recebida por Kim Il Sung, grande líder do PT da Coréia e dirigente da Guerra de Libertação.

 

A Conferência de Pyongyang daquele ano foi a primeira grande reunião do movimento comunista após os acontecimentos de 1989-1991. A Declaração de Pyongyang foi assinada por muitos partidos comunistas e operários e representou uma primeira e importante reação conjunta à derrota do socialismo na URSS e no Leste europeu. O PCdoB assinou e difundiu esta declaração, contribuindo para coletar assinaturas junto a outros partidos e amigos.

 

Em 1992, o PT da Coréia enviou representação ao congresso do PCdoB, assim como voltaria a fazer em todos os demais congressos em 1997, 2001 e 2005, assim como durante a Conferência Nacional de 1995. Depois de 1992, deputados do PCdoB visitaram a Republica Popular Democrática da Coréia com delegações parlamentares em duas ocasiões, no final da década de 1990. Estiveram na Coréia os então deputados federais Renildo Calheiros e Ricardo Gomyde. Em 2002, foi enviada delegação da direção do PCdoB composta por Jose Reinaldo Carvalho, secretário de Relações Internacionais e João Batista Lemos, secretário sindical.

 

Troca de experiências
No Brasil, o PCdoB tem recebido sucessivas delegações do PT da Coréia. Em 2003, o partido recebeu uma delegação chefiada por Pak Hyok, atual embaixador da RPD da Coréia e naquela época vice-chefe do Departamento Internacional do PT da Coréia. Neste caso, com o apoio da então senadora Emilia Fernandes – que havia estado pouco antes em Pyongyang – e acompanhados pelo membro da Secretaria Relações Internacionais do PCdoB, Ronaldo Carmona, a representação coreana foi recebida ao final de uma solenidade pública com o presidente Lula, fato que gerou grande repercussão na península coreana. Pouco depois a RPD da Coréia abriu sua embaixada em Brasília.

 

Recentemente, no final de março, o PCdoB recebeu uma delegação de alto nível do PT da Coréia, liderada pelo vice-chefe do Departamento Internacional. Nesta ocasião, em agenda preparada pelo PCdoB – além de reunir-se, em separado, com o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, com seis integrantes da bancada federal do partido e com o senador Inácio Arruda – a delegação encontrou o presidente do PT brasileiro, Ricardo Berzoini e com o presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia.

 

Os dois partidos, o PT da Coréia e o PCdoB, mantém atualmente contatos regulares nos fóruns internacionais, tais como o Encontro de Partidos Comunistas e Operários e no Seminário do PT do México. Também é fluido o contato junto à embaixada da RPD da Coréia em Brasília. Nesta visita que se inicia dia 30, a delegação do PCdoB poderá aprofundar as relações entre os dois Partidos, com a troca de informações
e análises sobre ambos os paises e povos.



  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais