Brasil

13 de fevereiro de 2018 - 14h03

Tuiuti e blocos mostram que anestesia política está passando

   

Mas não apenas o desfile da escola de São Cristovão, ao longo do carnaval, trouxe a indicação de que pode estar passando a longa anestesia política que tomou conta do Brasil desde o golpe de 2016. Em Salvador, o samba de Léo Santana, “Vai dar PT”, levantou a massa que seguia o trio elétrico “Pipoco” no circuito Ondina. Em Belo Horizonte, blocos entoaram com frequência o “Olê, Olá, Lu-lá”. Teve gente com cartaz pedindo uma “Operação Lava-Toga”, houve o levante da Mangueira contra o anti-sambismo do prefeito Crivella e não faltaram, até agora, Brasil afora, os gritos de Fora Temer. E na Rocinha, em tom nada carnavalesco, ainda apareceu uma faixa: “Se prenderem Lula o morro vai descer”.

Carnaval é uma coisa, participação política é outra, está claro. Mas começa bem o ano que decidirá o futuro do Brasil e de sua jovem democracia, o ano da disputa entre a vontade popular e a vontade dos senhores que estão tentando controlar a eleição pela exclusão do candidato favorito.

Em recente evento com artistas e intelectuais no Rio, Lula falou da anestesia que a mídia, o discurso anti-política e a Lava-Jato conseguiram aplicar no povo brasileiro. Uma anestesia daquelas para longas cirurgias, comparou Lula. Os gritos e imagens que vêm do Carnaval estão dizendo que ela pode estar passando. Que, encerrada a festa, ficará o inconformismo com as mazelas, passadas e contemporâneas, descritas pelo desfile da Tuiuti com o enredo “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?” Imagens fortíssimas falaram sobre a crueldade imposta aos milhões de africanos escravizados por mais de três séculos, mas não ficaram nas correntes e açoites do passado. Chegaram ao golpe de 2016 com todos os seus retrocessos. Afinal, o trabalhador intermitente será quase um novo tipo de escravo, alguém que não sabe o quando vai trabalhar nem quanto vai ganhar no final do mês, alguém que terá uma situação previdenciária precária e uma vida financeira absolutamente imprevisível.

Os gritos a favor de Lula e contra Temer sintetizam o momento. O golpe é Temer, e sua continuidade é a tentativa de inabilitar Lula. A anestesia parece estar passando mas nem por isso serão prováveis grandes atos ou manifestações de massa. Como parece claro há algum tempo, o brasileiro comum desistiu do ativismo político, decepcionou-se com as falsas primaveras de 2013 e 2015 e está se guardando para quando a eleição chegar. Se Lula puder ser candidato, será eleito, e o povo terá vencido o golpe. Se não puder, de todo modo a resposta será dada nas urnas.


*Tereza Crunivel é jornalista e articulista do Brasil247.

Fonte: Brasil247

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais