12 de fevereiro de 2018 - 8h56

No século XIX, foliões faziam campanha pela libertação dos escravos


   
Em 1864, a sociedade Tenentes do Diabo decidiu suspender a construção de carros alegóricos e, em vez de desfilar, comprou a liberdade de alguns escravos com o dinheiro arrecadado. Em 1876, a sociedade Estudantes de Heidelberg convocou os foliões para fazerem suas doações. Em vez de utilizar os recursos para organizar o desfile, o que se arrecadou serviu para comprar uma carta de alforria de um escravo, que, dias antes, salvara uma menina de afogamento na praia.

Já o Clube dos Fenianos, fundado em 8 de dezembro de 1869, chegou a formar grupos estratégicos, como os Girondinos e Pelicanos, que executavam ações para libertar escravos. Esses dois grupos, na efervescência do movimento pró-Abolição, promoveram um baile intitulado “1º Can-can do Prazer”. Toda renda foi revertida para compra de cartas de alforria.

No Carnaval de 1881, os Fenianos apresentaram o carro alegórico “a Mancha de Júpiter”, em que o imperador D. Pedro II aparecia manchado pela escravidão. A Guarda Imperial tentou interromper o desfile, mas ficou só na ameaça.

Em 1887, os Girondinos trouxeram um carro com uma mulher representando o Império – já decadente, porém, resistente – e empunhando o estandarte do grupo. A seu lado, dois escravos recebiam a carta de alforria. O Jornal do Commercio do dia 22 de fevereiro daquele ano tirava a dúvida de muitas pessoas: efetivamente, em plena folia, dois negros ganhavam a liberdade, a partir da arrecadação feita pelos Girondinos.

Para musicar essas memórias, vale ouvir o samba enredo deste ano do Paraíso do Tuiuti, que fala da situação atual do negro no país: Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?


Fernando Paulino é Pós-graduando em Educação e Cultura Negra

* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.


VermelhoSP

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais