América Latina

10 de fevereiro de 2018 - 12h09

Ameaças e violência levam FARC a suspender campanha presidencial

Foto: Arquivo Farc
 Dirigentes da FARC anunciam suspensão da campanha eleitoral  Dirigentes da FARC anunciam suspensão da campanha eleitoral

O integrante do Conselho Político Nacional da organização e candidato ao Senado Pablo Catatumbo disse que, caso as condições para a proteção da integridade física dos dirigentes não sejam garantidas pelo Estado colombiano, o partido não retornará às atividades de campanha.

Catatumbo disse que a “Colômbia não pode se converter em um estado eleitoralmente falido”, e que irá, com “todas as provas" às autoridades, para que sejam punidos “os responsáveis pelos atos violentos contra os candidatos do partido”.

O candidato também disse que “existe um plano coordenado que impede a ação política de um partido legalmente constituído”, e que um país que se pretende democrático deve dar as garantias a todos os partidos.

“Reiteramos a toda a nação nosso compromisso com a consolidação da paz e com a justiça social”, afirmou Catatumbo, que sublinhou que a campanha não foi cancelada, mas suspensa até que “existam plenas condições para que seja continuada”.

O líder político informou que, na próxima segunda-feira (12), a direção política da organização se reunirá para avaliar a situação. O primeiro turno da eleição da Colômbia está previsto para 11 de março.

Partido Comunista

Na quinta-feira (8), o Partido Comunista da Colômbia denunciou, em nota, os "sucessivos atos de agressão contra ativistas e diretores do partido FARC". Segundo a agremiação, eles indicam "uma ação sistemática, programada, organizada e estimulada por conhecidos porta-vozes da ultradireita”.

Em contradição com as afirmações de Rafael Pardo, ministro do pós-conflito e do editorial para [jornal] El Espectador, de 6 de fevereiro, não há nada de espontâneo nesses ataques. Surpreende que altos funcionários, editorialistas e provocadores coincidam em atenuar a gravidade de condutas que terminaram favorecendo delitos contra a liberdade de reunião e expressão cidadã e estimulando rumores que põem em risco a vida e a integridade de compatriotas ou danos a imóveis e veículos. Mais assombroso ainda é que o código da polícia que se aplica com rigor extremos às manifestações cívicas, estudantis, de vendedores ambulantes e camponeses, se mostre tolerante às agressões violentas contra aqueles que decidirão atuar em democracia", afirma o texto.

Leia nota do PC na íntegra:

Pelo livre direito de atuar em democracia



Os sucessivos atos de agressão contra ativistas e diretores do partido FARC indicam uma ação sistemática, programada, organizada e estimulada por conhecidos porta-vozes da ultradireita.

Em contradição com as afirmações de Rafael Pardo, ministro do Pós-Conflito e do editorial do El Espectador, de 6 de fevereiro, não há nada de espontâneo nesses ataques.

Surpreende que altos funcionários, editorialistas e provocadores coincidam em atenuar a gravidade de condutas que terminaram favorecendo delitos contra a liberdade de reunião e expressão cidadã e estimulando rumores que põem em risco a vida e a integridade de compatriotas ou danos a imóveis e veículos.



Mais assombroso ainda é que o código da polícia que se aplica com rigor extremo às manifestações cívicas, estudantis, de vendedores ambulantes e camponeses se mostre tolerante às agressões violentas contra aqueles que decidiram atuar em democracia.



A ordem de "não reagir", emitida pela Direção da Polícia, facilita o vandalismo dos agressores fascistas e a permanência de seus crimes. Os eventos condenáveis de hoje, em Cali e Yumbo, exigem uma mudança na forma de tornar efetivas as garantias efetivas para todos.



O Partido Comunista colombiano condena esses eventos e aponta a responsabilidade do governo nacional em sua cadeia de comando por permitir tais abusos de direitos e liberdades fundamentais, que constituem tantas tentativas contra a consolidação da paz e da justiça social reivindicadas pelo povo colombiano.



Exigimos que a procuradoria investigue a possível participação de funcionários e agentes da inteligência intervindo na organização e promoção deste tipo de ato.



Pedimos a solidariedade ativa frente aos atropelos daqueles que pretendem legitimar a estigmatização, o bullying e a ameaça como meio de ação.



 Fonte: Opera Mundi

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais