Geral

31 de dezembro de 2017 - 15h59

Quero ser Dr. Sócrates Brasileiro

Cassimano
 Festa de inauguração do campo Dr. Sócrates  Festa de inauguração do campo Dr. Sócrates

Ainda que as pessoas desconfiem ou não compreendam minha ligação como tricolor com o Doutor, ainda que o fato de não ser corinthiana e me sentir profundamente ligada a ele seja motivo de pouco caso, o dia 11 de junho foi de emoção e alegria por estar ali.

Foi bem complicado segurar as lágrimas diante dos versos proferidos pelos alunos da escola. O som que reverberou pela sala tocou tão profundamente minha alma quanto a presença de Sócrates na minha formação cidadã. Magrão sorria que eu sei.

O tempo avançou, a meta para a reforma do campo da escola foi alcançada e o golpe se consolidou. Entre um #ForaTemer e outro (saliente-se que em intervalos cuja métrica do tempo não conseguiu registrar) a ansiedade para a inauguração do campo se mantinha alta.

Ajustadas as agendas de Lula e Chico Buarque, o dia da inauguração do campo chegou.

O coletivo Futebol, Mídia e Democracia, convidado para ser um dos times a participar dos jogos inaugurais, foi a campo com representantes de vários times e outros coletivos que o integram. E é aí que umas das experiências mais legais do ano de 2017 se revelou.

O divino do Doutor se apossou feito uma entidade de cada corpo que pisou naquele campo, não pelo toque de calcanhar, expediente raro e pouco utilizado, mas pelo caráter futebolístico/político/democrático.

Como uma passagem nada secreta, o gramado se alcançava numa entrada triunfal, digna de final de várzea. O povo junto, sem PM, sem intrusos ordeiros, sem assento numerado. Magrão sorria que eu sei.

Pelada rolando à vera. Festa pura. Há seis anos e dezenove dias do apito final do último jogo do Doutor, uma celebração de fazer inveja aos incrédulos. Nada mais óbvio que a presença de Sócrates por ali, transmutado em mais de mil sujeitos de diferentes cores, raças, crenças, origens, orientações sexuais, gostos musicais, profissões.

Ganhar ou perder, mas sempre com democracia. O jogo principal entre Amigos de Lula e Amigos do MST terminou empatado. Confesso, resiliente, que não tive condição de acompanhar o jogo seguinte. O coletivo, devidamente organizado para participar da peleja, se concentrava ao modo roots e boleiro: festa, confraternização e cachaça. Magrão sorria que eu sei.

Todas as faixas, todas as fardas, todas as bandeiras, todas as pautas. Tudo o que é urgente desceu para o campo. E desceu feliz, completo, sem desfalque. Sem muita técnica, é verdade, mas cheio de alegria e raça. Seria pretensão demais sonhar jogar igual ao Doutor.

O clima, cujo prognóstico era de chuva, se isolou nalgum lugar menos alegre e deixou que o sol brilhasse forte. Música, futebol, cerveja e demais aparatos alcoólicos misturados a uma fissura frenética de entrar em campo e felicidade plena. O mastro do Magrão Eterno se abria e fechava como num portal para outro mundo. Posso apostar que em algum momento todos passaram por ele e foram abençoados com um breve trago o grito antes de entrar em campo “Viva a democracia!”.
E chegou a hora do coletivo Futebol, Mídia e Democracia jogar. “Ô ô, FMD chegou” embalando a entrada e a fumaça colorida. Nossos pés, descalços ou não, tocaram o imaculado gramado do Doutor. E Magrão sorria que eu sei.

Contra todas as apostas, contra toda a concentração disciplinada do adversário, @s peladeir@s fizeram bonito. Foi um empate digno de vitória para quem incorporou a festança Socrática desde a sexta-feira, ou, para os mais sóbrios, desde as nove da manhã na concentração do bonde.

No dia 23 de dezembro de 2017, seis anos e dezenove dias após o apito final do último jogo do Doutor, todos queriam e foram Sócrates Brasileiro no gramado que o eterniza nas lutas por um mundo justo e sem mazelas, ou, nas palavras de Francisco: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos.”

Me atrevo tomar dos olhos e dos punhos de Doutor Sócrates pra completar: “Nenhum futebol sem festa e sem participação popular!”. Magrão sorria que eu sei, através de todos os que queriam e foram Dr. Sócrates Brasileiro por um dia.


Fonte: Ludopédio

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais