Movimentos

11 de outubro de 2017 - 17h36

Censura Nunca Mais: Agenda do RJ contra censura tem ato nesta quinta

Divulgação
Caetano: "MBL são conservadores das desigualdades, opressão e horror" Caetano: "MBL são conservadores das desigualdades, opressão e horror"

“Na Cultura estão gravadas os valores coletivos, e as suas mais diversas manifestações são expressões de nosso povo. É um elemento transformador. Por isso, as artes devem ser livres para questionar e gerar reflexão sobre nossas vidas e nossos tabus”, diz texto de apresentação do evento no facebook. Belo Horizonte e Porto Alegre também realizaram atos contra a censura às artes.

A exposição Queermuseu, montada em Porto Alegre, foi o primeiro alvo de integrantes do MBL que promoveram críticas às obras acusando os autores de promoverem a pedofilia e a zoofilia, argumento que tem alimentado a investida contra outras exposições.

O Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro, poderia ser o novo destina da exposição Queermuseu, no entanto, o prefeito Marcelo Crivella afirmou em rede social que a prefeitura da cidade não receberá as obras. "Tá vendo? Por isso que aqui no Rio a gente não quer esta exposição. Saiu no jornal que ia ser no MAR. Só se for no fundo do mar. Por que no Museu de Arte do Rio, não", ironizou.

O cantor e compositor Caetano Veloso chamou o vídeo de Crivella de “inadmissível: “É mentiroso e desrespeitoso do cargo. Fala que é pedofilismo baseado em uma invenção de uns malucos do MBL, pessoas suspeitas na sociedade brasileira, conservadores das desigualdades, da opressão e do horror”, declarou o músico que está na linha de frente de um movimento de artistas chamado #342 Artes – Contra a Censura e a Difamação”

A Atriz Fernanda Montenegro gravou um vídeo para a campanha #342 Artes: “Tudo é cultura, inclusive a cultura de repressão. Mas só há um tipo de cultura que realmente constrói um país. É a cultura da liberdade. A cultura liberta cria a alma de uma nação”, disse.

Atos contra censura

Na última segunda-feira (9), artistas, intelectuais, produtores culturais e parlamentares se reuniram em frente ao Palácio das Artes em Belo Horizonte Para protestar contra a censura à exposição no local “Faça você mesmo sua própria capela Sistina” com obras do artista Pedro Moraleida perseguida por parlamentares da bancada fundamentalista no Estado.

Juca Ferreira, secretário de Cultura na capital mineira, afirmou que “Minas tem tradição de civilidade e intimidade com as práticas culturais. Por isso, percebeu rápido a estratégia traiçoeira desses políticos inescrupulosos, fundamentalistas religiosos e de grupos reacionários em busca de palanque para suas ideias obscurantistas”. Na ocasião foi lançado o manifesto Censura, Nunca Mais.

Em Porto Alegre também aconteceu um ato em repúdio à suspensão da exposição Queermuseu com a presença do filho de Lygia Clark, uma das artistas que teve a obra criticada pelo MBL. São Paulo e Mato Grosso do Sul também são lugares em que os episódios de censura se repetiram em exposição e performance. No MS, um quadro foi retirado do Museu por policiais militares.

Em São Paulo, o prefeito João Doria condenou a performance do artista carioca Wagner Schwartz no Museu de Arte Moderna (MAM), em que o corpo nu do performancer poderia ser manipulado pelo público. Em um dos vídeos, aparece uma criança, ao lado da mãe, tocando os pés e as mãos do artista.

Confira vídeo de Caetano sobre declaração de Crivella:




Do Portal Vermelho com agências

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais