Brasil

14 de agosto de 2017 - 15h35

Padre Julio Lancelotti é processado por Bolsonaro


Reprodução
   
"Se fala em liberdade de expressão para ele poder dizer o que ele quer, com discurso contra negros, quilombolas, mulheres e a comunidade LGBT, mas acha que ninguém pode contrariá-lo", questiona. "Muitas pessoas acham que a liberdade é poder dizer tudo que eu penso. Se o discurso ofende o mais fraco, o outro, eu não tenho direito de dizer", completou Lancelotti.

O religioso discursava contra a cultura do ódio, durante a pregação que marcou o primeiro dia da Quaresma para os católicos. Julio se disse assustado pela devoção provocada por "uma figura homofóbica e violenta" como Jair Bolsonaro. "Eu fico impressionado — e não tenho medo dizer, não precisa cortar a gravação –, que uma pessoa homofóbica, violenta como Bolsonaro, apareça nas pesquisas eleitorais e seja seguido por tanta gente no Brasil. Isso é vergonhoso", disse.

Na ocasião, Bolsonaro criticou o ato de usar uma pregação dentro da igreja para ataca-lo. Ele considerou "absurdo" utilizar-se do nome de Deus "para praticar blasfêmia e calúnias".

Assassinato

O religioso e integrante da Pastoral do Povo de Rua de São Paulo também comentou a morte de três moradores de rua – dois homens e uma mulher –, assassinados a tiros na madrugada de sábado (12), na avenida Senador Teotônio Vilela, em Cidade Dutra, na zona sul de São Paulo. "Foi uma execução. Foi uma ação covarde e premeditada. Nós temos que estar atentos a essa onda neonazista que toma a sociedade", afirmou.


Fonte: Rede Brasil Atual

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais

DELAYED option not supported for table 'tb_noticias_contadores'