Brasil

7 de agosto de 2017 - 12h07

O povo quer votar e esse é o medo da direita, diz Wanderley dos Santos


   
Em entrevista ao Portal Vermelho na última quinta-feira (2), um dia após a votação da Câmara dos Deputados que rejeitou a denúncia por corrupção passiva contra Michel Temer, o professor afirmou que o país vive uma “desintitucionalização crescente” que afeta todas as áreas, na burocracia públicas, nos governos estaduais e no empresariado.

“O potencial de instabilidade nessa situação não decorre imediatamente dela própria, porque ela está há algum tempo e permanece, precisamente porque no contexto atual as instituições não são boas preditoras do modo como elas próprias vão se comportar”, destacou Wanderley Guilherme dos Santos, enfatizando que “há um esvaziamento da integridade das instituições”.

Ele afirma que Temer a cada dia surpreende, ora com medidas esbaforidas das quais recua, ora com “ousadias espantosas que não se sabe ao certo se permanecerão ou se vingarão”.

“As instituições nem sabem ao certo qual o comportamento seguro das instituições principais da democracia brasileira. Consequentemente, o futuro imediato é muito turvo e ninguém tem condições de antecipar nada com segurança”, apontou o professor. “Fiz toda essa propedêutica para chegar numa coisa simples: o futuro imediato a Deus pertence”, brincou.

Não há apatia

Questionado sobre uma eventual apatia da população, diante desse cenário de enfraquecimento das instituições, o cientista político é enfático: “Não há apatia”.

Alguns setores da grande mídia e integrantes da base aliada de Michel Temer justificaram o seu voto em favor do governo dizendo que a população não queria o afastamento do ilegítimo, pois havia poucas manifestações nas ruas, apesar das pesquisas de opinião registrarem uma reprovação recorde.

Para Wanderley, “o comportamento antipopular e antidemocrático das instituições na sua maioria já está devidamente absorvido e a única coisa mais ou menos segura que se pode antecipar é que, em sua maioria, as instituições estão funcionando para dar respaldo a uma ilegitimidade de origem”.

Segundo ele, a votação que favoreceu Temer e engavetou a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), por corrupção passiva, não foi nenhuma surpresa para os brasileiros, ou seja, os brasileiros não estão apáticos, mas indiferentes.

“O Congresso está sem credibilidade desde 2016. Aliás, um pouco antes, de modo que a mim me parece que a sensibilidade política da população, particularmente daquela parte da população informada que tenta acompanhar, é de uma indiferença, até porque não espera coisa diferente”, argumentou.

O cientista político salientou que a população tem razões consistentes e repetidas para não esperar grande coisa das instituições políticas no momento ou pelo menos a maioria delas.

“Não vejo apatia. Participação e reação têm custos à população, que vem se manifestando por três anos seguidos, de um lado ou de outro. Isso custa, as pessoas deixam de trabalhar, gasta dinheiro de condução, comem na rua, ou seja, tem custos. Não é todo mundo que pode ficar mobilizado. E isso só se justifica quando há uma expectativa de algum resultado. O que a população aprendeu é que os instrumentos disponíveis para ela utilizar, que são as manifestações de rua, estão impotentes, porque as instituições que deveriam escutá-las não estão nem aí. É absolutamente racional na minha hipótese que ninguém vá para a rua. Na minha opinião, não se trata de apatia”, explicou.

Base aliada de Temer dividida

O professor frisou que, diante da fragmentação da base aliada de Temer, o governo perde força para votar “reformas violentas, como as que têm sido aprovadas no Congresso”.

“Acho difícil daqui para a frente, até porque aqueles que votaram “não” [contra Temer] sabem que não vão ter nem copo d’água do governo. Portanto, não tem porque apoiar o governo daqui para a frente”, analisou o cientista político.

Sobre a divisão no PSDB, que foi o fiador do golpe, e outros aliados nessa empreitada, Wanderley diz que, embora os partidos tenham, na sua maioria, as vezes extrema como foi o caso dos tucanos, votado a favor do governo, o fato de não contar com a integridade desses partidos, deixa Temer numa situação muito complicada.

No entanto, o professor adverte: “Não acredito que com essa diferença mínima de votos favoráveis [para rejeitar a denúncia] ele próprio [Michel Temer] possa acreditar na credibilidade desse Congresso. Se com o talão de cheques do Tesouro Nacional, teve esse resultado, ele deve estar muito mais assustado do que quem não está no governo. Quem estava no governo já levou um golpe e saiu, portanto, quem está no governo agora é que pode acontecer alguma. De modo que quem amanheceu um pouco mais inquieto foi o próprio governo, porque foi surpreendente a vitória mínima obtida depois de tanta mobilização e tanta compra”.

Medo das urnas

Porém, a reação popular contra a ilegitimidade do governo deve acontecer em 2018, segundo aponta Wanderley Guilherme dos Santos. Por isso, a grande preocupação dos setores da direita conservadora em manobrar em direção contrária à soberania popular. Na semana passada, Michel Temer defendeu em entrevista a mudança do sistema presidencialista para o parlamentarismo.

Apesar do ataque contra o campo progressista e a tentativa de desqualificar a esquerda promovido com amplo apoio da mídia, as eleições de 2018, segundo o professor, ainda é um grande ponto de interrogação para a direita.

Segundo ele, ir às urnas é um custo que “a população brasileira tem pago gostosamente”. “É o custo normal das eleições. Você sai de casa, as vezes entra numa fila e vai depositar o seu voto”, disse.

Wanderley resgata que, historicamente quando a população acredita que o retorno esperado de uma eventual vitória nas urnas é elevado ao ponto de que o que vier não é diferente do que está, os índices de voto nulo, branco ou abstenções sobem.

“Porém, nem sempre quer dizer a mesma coisa. Por exemplo, na eleição de 1998, a abstenção e o voto branco cresceram bastante em relação a 1994, porque em 1998 a expectativa de uma vitória de Fernando Henrique era elevada e não havia expectativa de mudança a partir dessa vitória. Então, votar contra não adiantava. Diferentemente de 2002, a participação eleitoral foi elevadíssima porque se esperava justamente contribuir para uma vitória em que a expectativa de mudança era elevada. Então, reduziu-se muito os votos brancos e nulos. Isso é histórico desde 1945”, explica.

E segue: “Portanto, depende das candidaturas de 2018. Se os únicos candidatos forem Bolsonaro e Doria eu apontaria uma taxa de abstenção, nulos e brancos superior ao verificado no ano de 1970, que foi o recorde no Brasil. Duvido que alguém vá sair de casa para decidir uma eleição nesses termos. Eu duvido”.

Polarização

Questionado se a eleições de 2014 não terminaram por conta dessa polarização política que se arrasta desde então, Wanderley argumenta que o processo eleitoral terminou, mas o golpe não.

“A eleição terminou. O pedido de recontagem do Aécio Neves 48 horas depois do final da apuração não foi porque a eleição não terminou, mas para fazer o que ele fez. Não existia nenhuma base para fazer aquilo [pedir a recontagem dos votos]. Àquela altura o que deveria ter feito era aceitar e reconhecer a derrota”, lembrou o cientista político.

Wanderley classificou o inconformismo com a derrota dos tucanos de “estupidez”, pois o pedido de recontagem, além de criar uma crise política, lançou suspeitas sobre o Tribunal Superior Eleitoral, ou seja, contra o Poder Judiciário.

“Desde que foram introduzidas as urnas eletrônicas, combater, criticar ou qualquer suspeição sobre o resultado eleitoral está envolvendo o comportamento do Tribunal Superior Eleitoral. A direita não percebeu ainda isso. O que é uma estupidez. O TSE garante que não há nenhum problema quanto ao resultado eleitoral. Evidente que o Aécio sabe disso e quando levantou suspeitas quanto ao resultado eleitoral, não era para questionar o tribunal, mas para fazer o que fez: abrir uma crise política. Com isso, queria dizer politicamente que não reconhecia o governo. A partir daí, foi como se comportou”, declarou.

Sobre o golpe, ele afirma que está em aberto e as eleições de 2018 é fundamental para fechar essa conta e o povo tem consciência disso.

“A população, aqueles destituídos - essa é que a tragédia do momento - os instrumentos legais disponíveis para a sua manifestação e que normalmente deveriam ter repercussão, não tem porque o governo não quer saber dessa população. Não importa. Então, não tem eficácia, só tem custo. Não tem porque ir para rua. Vai votar”, concluiu.


Do Portal Vermelho

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais