Movimentos

24 de julho de 2017 - 11h21

Historiador confirma que Volks Brasil cooperou com ditadura 

Volkswagem do Brasil
   

“Eu posso dizer que havia uma colaboração regular entre o departamento de segurança da VW do Brasil e os órgãos policiais do regime”, afirmou Kopper aos veículos, e citou que a Volkswagen “autorizou prisões” dentro do complexo.

“O departamento de segurança atuou como um braço da polícia política dentro da fábrica da VW”, apontou. A investigação feita pelo historiador abrange os arquivos da montadora na Alemanha.

Segundo o jornal e as emissoras, a filial brasileira espionou seus trabalhadores e suas ideias políticas, e os dados acabaram em “listas negras” em mãos da polícia política. Os afetados lembram como foram torturados durante meses, após terem se unido a grupos opositores.

A sede da empresa, em Wolfsburg, não se pronunciou sobre as afirmações de Kopper, que é vinculado à Universidade de Bielefeld e tem até o final deste ano para apresentar suas conclusões finais.

Comissão Nacional da Verdade

Opera Mundi acompanha o caso extensivamente há mais de três anos, desde que a Comissão Nacional da Verdade (CNV) passou a investigar os arquivos brasileiros da Volkswagen.

Um relato detalhado do ocorrido na fábrica da montadora alemã consta no relatório final da CNV, documento com mais de 3.000 páginas publicado em 2014 que revelou a existência de um aparato repressivo militar-empresarial, no qual as firmas monitoravam funcionários, repassando informações e fazendo denúncias ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops).

“Estava trabalhando e chegaram dois indivíduos com metralhadora, encostaram nas minhas costas, já me algemaram. Na hora em que cheguei à sala de segurança da Volkswagen, já começou a tortura, já comecei a apanhar ali, comecei a levar tapa, soco”, contou Lúcio Bellentani, funcionário da Volkswagen de São Bernardo do Campo, à CNV.

Nazista

O responsável pela criação do aparato repressivo dentro da Volkswagen do Brasil foi Fritz Paul Stangl, criminoso nazista que fugiu para o Brasil depois da 2ª Guerra Mundial. A conclusão é do relatório da CNV.

No capítulo dedicado à repressão aos operários, intitulado “Violações de direitos humanos dos trabalhadores”, a CNV escreve que Stangl, preso no Brasil em 1967 e extraditado para a Alemanha, foi o “funcionário da Volkswagen do Brasil responsável pela montagem do setor de vigilância e monitoramento” da unidade do ABC paulista. O aparato acompanhava de perto o dia a dia da fábrica e, especialmente atento às atividades sindicais consideradas “subversivas”, estava em constante contato com órgãos da repressão do governo brasileiro na ditadura.

“Existe uma profusão de documentos que comprovam a cooperação da empresa [Volkswagen do Brasil] com órgãos policiais de segurança do Dops”, afirma o texto final da CNV. Uma das provas citadas pela comissão é um relatório enviado ao Dops por este setor de segurança interna da multinacional relatando a atividade sindical. O documento, encontrado nos arquivos da polícia política paulista, apresenta “um resumo” informativo, comunicando, por exemplo, a realização de um comício na portaria da Volkswagen, em 26 de março de 1980 – mais de dez anos depois de Stangl ter sido capturado no Brasil.

No documento, o então sindicalista Luiz Inácio Lula da Silva alertava os próprios metalúrgicos sobre o monitoramento ao qual estavam sujeitos na montadora alemã. “Dentro da Volks, a segurança fica de olho em vocês através de um circuito de televisão. Tomem cuidado, porque os tenentes do Exército que trabalham aí têm um circuito fechado de televisão onde conseguem ver vocês dentro da seção”, dizia o futuro presidente da República no comício sindical.




Rede Brasil Atual

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais