Brasil

20 de julho de 2017 - 19h59

“Defender Lula é defender qualquer um de ser condenado sem provas”


Foto: Francisco Proner
   
Em discurso na Cinelândia, na cidade do Rio de Janeiro, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou que a manifestação tem duas razões principais que se misturam: a luta contra as reformas e entrega das riquezas do país pelo governo de Michel Temer e a defesa do ex-presidente Lula. “Nós defendemos Lula porque ele é alvo de uma operação à direita, golpista, e condená-lo sem prova significa dar sequência a esse projeto contra o Brasil”, disse a parlamentar.

Ela defendeu “a ocupação política” contra a agenda das reformas do governo Michel Temer, “que assustam, chocam, geram drama, sequestram direitos e expressam algumas razões do golpe que vivemos”. A reforma trabalhista, já concluída, e da Previdência são duas das principais. “Não fossem as mobilizações, a reforma previdenciária já estava em plenário”, disse. “Temos que manter ocupação política contra as reformas que são a expressão um Congresso patronal e reacionário.”

A desnacionalização da economia brasileira e a entrega das riquezas do país precisam motivar as pessoas a irem às ruas, defendeu. Ela citou a cadeia produtiva de óleo e gás, a água, “um bem público e um bem comum”, e os bancos públicos, como alvo dos interesses golpistas. “O povo brasileiro está perdendo suas principais riquezas estratégicas.”

“A segunda razão de estarmos aqui hoje é para dizer que esse ato de denúncia de uma condenação sem provas e solidariedade a Lula, na verdade, é essencialmente um ato de defesa da democracia. Hoje defender Lula é defender qualquer brasileiro que não pode ser condenado sem provas”, afirmou a deputada.

“É por isso que não consigo entender a ausência de determinadas lideranças de esquerda que aqui deveriam estar. Que nos momentos que tem mídia, em atos maiores, aqui fazem discursos. Mas na hora de prestar solidariedade aberta contra arbitrariedades da Justiça, da Lava Jato, não dão a cara aqui pra bater. Isso eu lamento profundamente”, disparou.

“A gente tem que ter coragem para enfrentar todas as adversidades, inclusive a grande mídia e determinados agentes públicos que querem sequestrar da vida política a maior liderança popular desse país. Nós não podemos ser a favor de condenar ninguém sem provas, seja do PT, do PCdoB, do PP, do PMDB, do PSDB, seja quem for.”

Jandira disse que a falta de provas da Lava Jato contra Lula é demonstrada pelo fato de que Sergio Moro precisou de 218 páginas para condenar e gastou apenas uma para falar das “considerações da defesa”. “O mundo jurídico já falou sobre o ridículo dessa sentença. O ato de São Paulo está enorme, Lula está lá, precisamos fazer isso crescer. Precisamos fazer crescer a luta política pela democracia brasileira. Não vamos arredar pé dessa batalha.”



 Fonte: Rede Brasil Atual

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais