Movimentos

16 de julho de 2017 - 12h13

 SP terá ato em defesa da democracia, de Lula e contra reformas

   

Condenado em primeira instância pelo juiz Sergio Moro, o ex-presidente pode ser tornar inelegível e ficar fora da disputa eleitoral de 2018 caso a sentença seja confirmada em segunda instância.

“Será um ato em defesa da democracia. Entendemos que uma eleição sem Lula é uma fraude”, afirmou Douglas Izzo, presidente da CUT-SP, após sair da reunião realizada na sede estadual do Partido dos Trabalhadores (PT). “Precisamos mostrar para o povo que a condenação do Lula faz parte do jogo político dos golpistas. Primeiro foi a retirada do mandato da Dilma sem crime de responsabilidade, e agora a nova fase do golpe é inviabilizar a candidatura do principal candidato. O ato do dia 20 é para colocar esse debate na sociedade.”

Ao projetar o julgamento do ex-presidente na segunda instância, Douglas Izzo disse só esperar que a justiça seja feita. “Não há elementos para a condenação do Lula. O juiz Moro age com indícios, não há provas e não se está aplicando a presunção da inocência”, ponderou.

O presidente da CUT-SP disse ainda que o ato no próximo dia 20 também será contra a nova lei trabalhista, sancionada na quinta-feira (13) por Michel Temer. Segundo Izzo, a partir de agora a CUT vai atuar para que a adoção da nova lei encontre resistência na base dos trabalhadores.

“Vamos dificultar ao máximo a implantação da lei, que traz prejuízos sem precedentes aos trabalhadores”, afirmou. 


 Fonte: RBA

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais