Economia

15 de julho de 2017 - 16h42

Presidente do BNDES diz não ver irregularidades na gestão petista

Armando Paiva/Agif
   

Há 45 dias na presidência do BNDES, o economista Paulo Rabello de Castro divulgou na sexta (14) o "Livro Verde", no qual traz balanços das atividades do banco entre 2001 e 2016. Em entrevista à rádio Jovem Pan, nesta quinta (13), ele disse não ter encontrado irregularidades dos governos petistas à frente da instituição e desmistificou o que chamou de "ranço" de "brasileiros que se dizem liberais" contra o que eles consideram ser "fomento demais, desenvolvimento demais".

Questionado inicialmente sobre o que encontrou no BNDES, quando foi nomeado para o cargo pelo governo Temer, Rabello disse ter encontrado "muito talento" por parte dos 2,8 mil funcionários. Ele também declarou que não precisou "botar ordem em esculhambação nenhuma" quando assumiu o cargo. "Nada me surpreendeu", afirmou.

"O tamanho do BNDES está sendo objeto de muita controversa. As pessoas começam a achar que temos fomento demais, temos banco de desenvolvimento demais. Alguns brasileiros que se dizem liberais chegam a dizer que nós temos desenvolvimento demais, porque há uma atitude muito rançosa em relação ao nosso País e que vaza para um certo desânimo, um certo desalento, e quase que um certo desalento profissional", afirmou.

Em seguida, questionado por Marco Antonio Villa, crítico ferrenho de Lula e do PT, sobre financiamentos relacionados a operações realizadas nos governos petistas, como a do Porto de Mariel, em Cuba, e à JBS, dos irmãos Batista, que segundo Villa, deixaram grandes prejuízos ao banco, ele rebateu:

"Você vai me prometer uma coisa: vai ler as 200 páginas [do Livro Verde]. Você é um historiador, não pode ficar falando as coisas como está falando aí pelo microfone sem fazer uma investigação". Em seguida, o economista ressaltou que o comportamento do BNDES é "absolutamente ético e exemplar".

De acordo com o novo dirigente do banco, a JBS é "um dos negócios mais bem bolados e bem sucedidos da BNDESPar", braço de participações da empresa. Rabello de Castro rebateu as informações de Villa e destacou que o resultado líquido das operações do BNDES com a JBS até dezembro tinha sido positivo em R$ 3,56 bilhões - o banco colocou R$ 8,1 bilhões na empresa.

Com base nos números, Rabello de Castro negou que os governos petistas de Lula e Dilma tenham "favorecido A ou B". "O BNDES age tecnicamente. São mais de 30 pessoas que têm comportamento ético, impecável, assinando, pessoas que passaram num concurso. Seria muito difícil haver uma conspiração de 30 e tantos técnicos", ressaltou.



Fonte: Brasil 247

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais