Movimentos

24 de maio de 2017 - 18h15

Com repressão, aumento da Contribuição Previdenciária é aprovado no RJ


Jornal do Brasil
   
Em meio à crise financeira que o Estado enfrenta, os deputados votaram nesta quarta-feira, o aumento de 11% para 14% na alíquota dos servidores estaduais que encontram-se com salário em dia. A medida faz parte de um pacote de austeridade ofertada pelo Governador Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ) que inclue também a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) e mudanças no sistema do Bilhete Único.

Pezão já havia apresentado o projeto em 2016, com a justificativa de tentar conter a crise do estado. O projeto foi aprovado com 39 votos favoráveis e 26 contrários. 

Logo após a aprovação do projeto, servidores tentaram entrar na Alerj quando foram impedidos pela Polícia Militar com tiros de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogênio. Na sequência, as ruas do centro do Rio transformaram-se em um cenário de guerra, sob o avanço da cavalaria. Os manifestantes seguiram para a região da Cinêlandia no final da tarde. 

Entidades dos movimentos sindicais rechaçam a aprovação do aumento. “Diferentemente do que o governo e boa parte da imprensa vêm anunciando, esse item [lei que aumenta a alíquota] não está mais previsto no Plano de Recuperação Fiscal – foi retirado do texto que foi aprovado no senado. Ou seja, não há obrigação na lei federal para que isso aconteça”, afirmou uma nota do Muspe publicada no site do Sindicato dos Profissionais de Educação da Faetec (Sindpefaetec).

André Rosa, membro da Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap-RJ) lembrou que o próprio Ministério Público afirmou que a crise das contas do estado do Rio se deve aos crimes de corrupção. "Cabral já foi denunciado quase que pela décima vez. Colocou uma pontinha pra roubar em cada secretaria do estado do Rio de Janeiro. Os servidores e a população não podem pagar por esse rombo. Pois na hora em que eles não conseguirem tirar do servidor eles vão aumentar impostos, então é necessário o povo na rua lutando contra isso", afirmou.

A deputada Enfermeira Rejane, do PCdoB, assim como as bancadas do PSOL, PSDB, Rede, PSC votaram contra a elevação da aliquota. 



Do Portal Vermelho, com informações do Jornal do Brasil 

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais