Mundo

21 de maio de 2017 - 11h44

Advogados querem apoio mundial para garantir liberdade de Assange


Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres
Na última sexta-feira (19), as autoridades da Suécia arquivaram uma acusação contra Assange por estupro, crime que ele sempre negou ter cometido. Há anos, o ciberativista australiano está refugiado na Embaixada do Equador em Londres.

Embora não corra mais o risco de ser extraditado para a Suécia, ainda pode ser preso pela polícia britânica por não ter comparecido a um tribunal do país e também pode ser extraditado para os Estados Unidos, por ter vazado uma série de documentos secretos do governo norte-americano.

"Falando francamente, nós ainda não sabemos quando [Assange deixará a embaixada]", disse Garzón em entrevista à Russia Today neste sábado. "Vamos, outra vez, buscar apoio das Nações Unidas e outras autoridades, assim como do governo do Reino Unido. O Equador está tentando fazer o mesmo, e espero que isso aconteça logo", explicou.

"O governo da Austrália precisa ajudar Assange: advogado."

De acordo com Garzón, o caso sobre o suposto estupro cometido pelo ativista nunca deveria ter sido aberto, pela falta de evidência. No entanto, no final de 2011, ele foi formalmente acusado de estupro e abuso sexual na Suécia, e colocado na lista de procurados da Interpol. Assange estava na Inglaterra na época e, meses depois, a Justiça britânica decidiu pela sua extradição. Com medo de ir para a Suécia e, de lá, ser extraditado para os EUA, ele buscou refúgio na Embaixada do Equador, onde permanece até hoje.


Fonte: Sputnik

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais