15 de maio de 2017 - 14h32

 Canalhice dos meios de comunicação a serviço do golpe não tem limites


 Claudio Machado*

Com essa manchete e sabe-se lá com que conteúdo fétido (me recuso a lê-la), esse lixo quer fazer seus incautos leitores acreditarem que Lula teria provocado a segunda morte de dona Marisa, quando "em seu depoimento ao juiz Moro, Lula atribui as decisões sobre o triplex no Guarujá à primeira-dama, falecida ha três meses."

Mais do que uma canalhice, mais do que uma infâmia, é uma maldade hedionda, própria de fascistas, que para alcançarem seus intentos, não respeitam qualquer limite de decência, de compaixão, de humanismo.

Marisa morreu em consequência de um aneurisma que havia sido diagnosticado ha algum tempo e veio a se romper, causando sua morte. É muito provável que o rompimento tenha sido provocado pelo permanente estado de tensão e estresse que ela vivia, em razão da verdadeira caçada humana sofrida por seu marido e que atingia direta e indiretamente toda sua família.

Mas nada disso importa para essa odiosa revista (?) a serviço de uma elite tacanha, arcaica, que jamais saiu da casa grande. Importa, sim, destruir Lula custe o que custar, independente dos métodos.

Diante de tantos exageros cometidos por aqueles que querem destruí-lo, de tanta obsessão por inviabiliza-lo eleitoralmente, não descarto até a possibilidade de que possa vir a ser eliminado fisicamente e recomendo cuidado com isso. Talvez seja essa uma das alternativas no rol dos caminhos escolhidos para impedir que o "jararaca" dispute as eleições presidenciais de 2018, a verdadeira bala de prata. Ainda que possa não existir um plano estruturado nesse sentido, sabemos que no meio de fascistas há sempre um bando de carniceiros sedentos por sangue, loucos para receber um "sinal" de seus chefes para a execução do serviço sujo.

Voltando à manchete infame, quem viu o depoimento de Lula - e eu tive o cuidado de assisti-lo integralmente - sabe que em nenhum momento o ex-presidente disse algo que tivesse a menor conotação com o que o detrito sólido da maré baixa deseja inculcar em seus leitores. E para aqueles que não assistiram o depoimento e não quiserem ter o trabalho de faze-lo, deixo aqui um link, do Blog da Milly, que poupou o trabalho de vocês, estraindo ponto a ponto, tempo a tempo, frase a frase, dos trechos em que o nome de dona Marisa foi citado: https://blogdamilly.com/2017/05/14/a-falsa-narrativa-de-que-lula-culpou-dona-marisa/

Luiz Inácio disse a verdade, ou seja, que a cota para aquele empreendimento do Guarujá foi adquirida por dona Marisa junto ao Bancoop em 2005, o que é a mais pura verdade, como comprovam a documentação existente. E não se tratava da compra de uma unidade específica do prédio que estava sendo construído pelo sistema cooperativista, mas de uma cota desse empreendimento, que, ao final, poderia ser materializado na propriedade de um dos imóveis, ou simplesmente ser usado como investimento. É quase como uma carta de crédito de um consórcio.

Quanto ao triplex, especificamente, Lula confirmou que esteve uma vez olhando o imóvel, mas que não gostou do que viu e nunca mais voltou.

Perguntado se dona Marisa havia voltado ao local, ele disse que ela havia retornado mais uma vez, mas que ele só ficou sabendo 10 ou 15 dias depois e que eles não se interessaram em ficar com o imóvel. Não há, nestas respostas, nenhuma conotação que possa levar qualquer mente sã a entender o que essa revista (?) de terceira categoria afirma.

Está claro que tais veículos de comunicação, incluindo rádio e televisão – estes com muito mais poder de contundência - entraram em um desespero tal, após o antológico depoimento de Lula e a gigante caravana que foi a Curitiba em seu apoio, que buscam freneticamente algo em que se pegar para tentar barrar o tsunami chamado Lula, que vem chegando cada vez mais próximo à praia para varrer os detritos fascistas que tentam aprisionar o Brasil depois de mais de uma década de governos democráticos e populares. E como já disse lá em cima, tudo farão para alcançar seu intento. Estamos sob os efeitos de um golpe de estado, ainda que não em sua forma clássica. Dessa vez a democracia não foi bombardeada por tanques, mas por armas tão letais quanto, vindas do arsenal do conluio midiático/jurídico/parlamentar, a serviço da plutocracia nacional, subserviente e beneficiária do imperialismo estadunidense.

A esse respeito vale ler ou reler a Carta Aberta escrita por Eugênio Aragão, subprocurador da República e ex-ministro da Justiça de Dilma, destinada Rodrigo Janot, Procurador Geral da República, depois que este – ainda que não citasse o nome de Aragão – lhe teceu duras críticas em discursos proferido no ato de posse da ministra Carmen Lúcia, como presidenta do STF.  

Essa Carta Aberta foi publicada com exclusividade pelo Blog de Marcelo Auler, que a classifica com um documento histórico, com o que concordo. http://marceloauler.com.br/de-eugenio-aragao-a-rodrigo-janot-amigo-nao-trai-amigo-e-critico-sem-machucar-amigo-e-solidario/

Destaco um pequeno trecho da Carta Aberta, que nos traz luz para entender o pano de fundo da tragédia que o golpe nos impõe, sua amplitude em termos de apoio no aparelho de Estado, sua profundidade e o papel fundamental da mídia tradicional na manutenção e consolidação do avanço fascista:Compartilhei meus receios sobre os desastrosos efeitos da Lava Jato sobre a economia do País e sobre a destruição inevitável de setores estratégicos que detinham insubstituível ativo tecnológico para o desenvolvimento do Brasil. Da última vez que o abordei sobre esse assunto, em sua casa, o Senhor desqualificou qualquer esforço para salvar a indústria da construção civil, sugerindo-me que não deveria me meter nisso, porque a Lava Jato era ‘muito maior’ do que nós.”

Mais, não preciso dizer.

Publicado originalmente no blog Combatente



 Claudio Machado é secretário de comunicação do Comitê Estadual do PCdoB do Espírito Santo.

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais