Economia

13 de maio de 2017 - 9h37

Meirelles continua com otimismo midiático contra dados da realidade


Foto: ReproduçãoDANIEL FERREIRA/METRÓPOLES
   
 O governo Michel Temer, por meio de seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, repetiu nesta sexta (12), em Brasília, que o país retomou o crescimento e que, embora ainda “elevadíssimo”, o desemprego começará a cair no segundo semestre.

"É um governo de profunda transformação. A recessão que encontramos foi maior que a depressão de 1930 e 31. O tempo do verbo é no passado”, disse Meirelles, em evento de balanço de um ano do governo. Segundo ele, “o Brasil já voltou a crescer, mas estamos ainda vivendo os efeitos da recessão”.

O ministro disse ainda: “O Brasil está mudando mais em um ano do que mudou em décadas”. O problema é que, de acordo com economistas, o governo continua fazendo uma avaliação que não tem base real. “O país mudou em direção a onde? Em relação a quê? De fato, o que verificamos é um salto para trás de muitas décadas. Isso se deve à politica de ajuste e recessiva, que é a maior da nossa história”, diz Jorge Mattoso, professor aposentado do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e ex-presidente da Caixa Econômica Federal.

Para Pedro Rossi, professor do Instituto de Economia da Unicamp, não há material concreto para embasar a análise de Meirelles. Os dados mostram que o país ainda está em profunda recessão. “Ainda não vimos o fundo do poço. Eles estão apostando o tempo todo num discurso otimista e alguma hora eles vão acertar”, afirma. Rossi explica o termo “acertar”: “Em algum momento o buraco vai ser tão fundo que vai ser difícil cavar mais”.

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego bateu mais um recorde no primeiro trimestre de 2017, atingindo 13,7%, chegando a 14,2 milhões de pessoas. A taxa de juros real gira em torno de 6,5%, a maior do mundo.

Outro dado revelador do tamanho da crise vem do comércio, que é um termômetro da economia. Em março, as vendas no varejo recuaram 1,9% na comparação com fevereiro, a maior queda em 14 anos, mostrou a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE. O setor de serviços, que com a desindustrialização ganhou destaque na atividade econômica, também está em queda.

Rossi e Mattoso veem as mesmas explicações para cenário tão sombrio, apesar das tentativas midiáticas do governo em acenar para uma realidade otimista, mas sem base concreta. A principal é que o governo tem descartado os instrumentos capazes de retomar o crescimento. “Ele está se desfazendo da política econômica de estimular o crescimento e, ao mesmo tempo, da política social, capaz de gerar bem estar e estimular esse crescimento”, diz Rossi. “O governo Temer representa o desmonte do Estado como promotor de políticas sociais, via cortes fiscais, reformas da Previdência e trabalhista, e desestímulo do crescimento pelo investimento público, com bancos públicos e política fiscal.”

Recuperação?

Rossi considera até a possibilidade de uma recuperação econômica, mas sob parâmetros muito limitados. “Uma recuperação significa o uso da capacidade já instalada para uma produção maior, ou seja, pode haver um leve crescimento baseado na utilização da capacidade instalada hoje muito ociosa. Mas recuperação não necessariamente significa uma ampliação dos negócios, como construção de novas fábricas, e retomada de investimento que gere emprego. Não há qualquer sinal de retomada nesse sentido.”

Mattoso observa que as políticas adotadas pelo governo Temer são claras em diferentes áreas: “nos bancos públicos, veja o que está sendo feito na Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, e o que foi feito com muita intensidade na Petrobras”, diz. A ideia é enfraquecer as instituições e depois privatizá-las.

O fato é que o país está em recessão há dois anos, o que engloba o período do primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff. “A diferença é que agora, além das políticas de ajuste, recessivas, tivemos queda vertiginosa de arrecadação acompanhada por uma destruição das políticas sociais, que está levando a uma recessão com aumento a desigualdade”, observa Mattoso.

Segundo Henrique Meirelles, “o desemprego está elevadíssimo, deve crescer ainda um pouco, pois tem reação um pouco mais lenta a retomada, mas começa a cair no segundo semestre".

“Quando as reformas e o desmonte do estado são feitos, isso gera mais recessão. O discurso do Meirelles não tem embasamento”, diz Rossi. É praticamente consensual entre economistas que o desemprego só é revertido com um crescimento de 2,5% a 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Nenhuma das avaliações, do próprio governo, fala em crescimento maior do que 0,5%. Com 0,5% não há crescimento de emprego possível”, afirma Mattoso. “Eles dão uma dimensão midiática para tentar justificar as barbaridades cometidas ao longo do ano. Não é só no campo da economia. O que estão fazendo diz respeito também à destruição das políticas sociais.”



 Fonte: RBA

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais