Brasil

20 de abril de 2017 - 11h41

Flávio Dino receberá Medalha da Inconfidência em Ouro Preto


Foto: Aldo Araújo
Panteão. Acervo do Museu da Inconfidência Mineira Panteão. Acervo do Museu da Inconfidência Mineira
Entre os comunistas agraciados este ano com a Medalha da Inconfidência está, o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, que receberá a Grande Medalha. Dino foi juiz federal (1994-2006), deputado federal (2007-2011) e presidente da Embratur (2011-2014) e o primeiro comunista eleito governador de Estado.

O vereador de Belo Horizonte, Gilson Reis, a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral e a presidenta do Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro-MG), Valéria Morato - que receberão a Medalha da Inconfidência.

Mais importante líder da África Negra

Já o Grande Colar será entregue, in memoriam, a Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul, representado na solenidade pelo embaixador da África do Sul no Brasil, Ntshikiwane Joseph Mashimbye.

Mandela foi um ativista na luta contra o apartheid, regime que segregava os negros, a quem não era reconhecida a maioria dos direitos políticos, econômicos e sociais, na África do Sul. Preso durante 27 anos, sua libertação foi objeto de intensa campanha internacional. Tornou-se, em 1994, o primeiro presidente negro da história de seu país.

Prêmio Nobel da Paz, em 1993, honraria que dividiu com o presidente Frederik Willem de Klerk, recebeu as mais altas condecorações, entre elas a Ordem de St. John, da Rainha Elizabeth II, a Medalha da Liberdade, de George W. Bush, o Bharat Ratna, a mais alta distinção da Índia, e a Ordem do Canadá. Em 2010, a Organização das Nações Unidas (ONU) tornou o 18 de julho (data de seu nascimento em1918) Dia Internacional Nelson Mandela, como forma de valorizar em todo o mundo a luta pela liberdade, pela justiça e pela democracia. Mandela morreu em dezembro de 2013.

Medalha da Inconfidência

Criada em 1952 pelo governador Juscelino Kubitscheck, a Medalha da Inconfidência possui quatro designações: Grande Colar, Grande Medalha, Medalha de Honra e Medalha da Inconfidência. Serão 40 agraciados com a Grande Medalha, 59 com a Medalha de Honra e 72 com a Medalha da Inconfidência. Entre os homenageados deste ano estão governadores, parlamentares, magistrados, artistas, professores, militares, juristas, médicos, advogados, gestores públicos, historiadores, religiosos e empresários.

De acordo com a Constituição do Estado, o governador Fernando Pimentel baixa decreto transferindo simbolicamente a capital de Minas Gerais para Ouro Preto. A cidade foi a capital mineira de 1823 até 1897. O decreto foi publicado na edição desta quinta-feira (20) no diário oficial Minas Gerais. O governador também será o orador da cerimônia.

Até a semana passada havia a expectativa do ex-presidente Lula ser o grande homenageado no evento, entretanto, o Instituto Lula divulgou mensagem anunciando a desistência dele.

Os nomes dos homenageados são escolhidos por um Conselho, formado por representantes dos Três Poderes e da sociedade civil.



Do Portal Vermelho, com informações da Agência Minas

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais