Brasil

31 de março de 2017 - 11h11

Desemprego bate recorde: 13,5 milhões brasileiros sem trabalho


Reprodução
   
No mesmo período em 2016, o nível de desemprego equivalia a 10,2% da força de trabalho do país. A Pnad Contínua verifica o desemprego em todas as regiões do país.

Com o crescimento do desemprego, a população desocupada chegou a 13,5 milhões de pessoas, recorde da série. Trata-se de um aumento de 30,6% (3,2 milhões pessoas) ante fevereiro de 2016 e uma alta de 11,7% (1,4 milhão de pessoas) em relação a novembro daquele mesmo ano.

A população ocupada, de 89,3 milhões de pessoas no trimestre encerrado em fevereiro, diminuiu 2%, o equivalente a 1,8 milhão de pessoas, ante igual período em 2016. No comparativo ao trimestre móvel encerrado em novembro de 2016, quando 90,210 milhões estavam ocupados, houve queda de 1%, ou 864 mil pessoas. É a menor população ocupada desde o trim

A população fora da força de trabalho, também chamada de inativa, aumentou em 730 mil pessoas (1,1%) no trimestre encerrado em fevereiro, ante o mesmo período do calendário anterior. Ante o trimestre encerrado em novembro de 2016, houve aumento em 73 mil pessoas, avanço de 0,1%.

A pesquisa também aponta continuidade de redução do emprego formal. Os empregados com carteira assinada no setor privado (33,738 milhões) caiu 1% (menos 337 mil) e 3,3% (menos 1,134 milhão), respectivamente.

Segundo o IBGE, o rendimento médio, estimado em R$ 2.068, ficou estável tanto em relação ao trimestre anterior (0,9%) como na comparação anual (1,5%). O mesmo acontece com a massa de rendimentos (R$ 180,2 bilhões).

Entre os setores, a indústria fechou vagas em relação a novembro, enquanto duas atividades ligadas aos serviços (alojamento/alimentação e informação/comunicação/atividades financeiras) tiveram crescimento. Em comparação com igual trimestre de 2016, apenas alojamento/alimentação cresceu, 9%, com abertura de 409 mil postos de trabalho. A indústria caiu 4,3%, fechando 511 mil, e a construção recuou 9,7%, ou menos 749 mil.






Do Portal Vermelho, com Valor Econômico e Brasil 247

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais