Brasil

15 de março de 2017 - 17h54

Seminário internacional discute papel das periferias urbanas


   
O que as periferias urbanas das grandes cidades do mundo têm em comum? Quais os pontos de convergência destes territórios? Quais as suas potências e especificidades? Como suas populações se inserem nas cidades? Que estigmas são reforçados por grupos sociais hegemônicos que buscam um conceito “normal” de cidade – excluindo as periferias e suas características desta definição?

Estes e outros questionamentos conduzirão as discussões do seminário internacional “O que é a periferia afinal e qual o seu lugar na cidade?”, uma iniciativa do Instituto João e Maria Aleixo que acontecerá nos dias 16 e 17 de março (quinta e sexta) no Galpão Bela Maré, no Rio de Janeiro. No dia 15 de março (quarta) haverá a reunião do Conselho Estratégico do Instituto e, ao final do dia, apresentação e sarau com grupos culturais da periferia.

O seminário reunirá intelectuais, pensadores, ativistas e organizações que atuam, pensam e elaboram sobre temas relacionados às periferias urbanas no mundo contemporâneo. São esperados mais de 100 convidados de diferentes países, incluindo México, Colômbia, Cabo Verde, Guiné Bissau, Costa Rica, Inglaterra, Escócia, Itália e Índia – além do Brasil.

Entre os confirmados estão Redy Wilson (sociólogo e pesquisador, Cabo Verde), Miguel de Barros (sociólogo e pesquisador, Guiné Bissau), Lucas Bussoti (pesquisador, Itália/Moçambique), Fernando Lannes Fernandes (geógrafo, Escócia/Brasil), Paul Heritage (diretor artístico do People’s Palace Project, Inglaterra), Carlos Cruz (diretor da ONG Cauce Ciudadano, México), Luka Jaramillo (diretor da Casa de las Estrategias, Colômbia), Udi Mandel (cineasta, Costa Rica), Alito Siqueira (sociólogo, Índia) e Cathy McIlwaine (geógrafa, Inglaterra).

Entre as organizações participantes do seminário e membros da rede internacional estão: Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), Fundação Tide Setúbal, Fundação Itaú Social, Fundação Ford, ONG Cauce Ciudadano (México), Casa de las Estratégias (Colômbia), Instituto Promundo (EUA), People’s Palace Project (Inglaterra), Redes da Maré, Observatório de Favelas, Instituto Europeu de Design, Teatro da Laje, Rede Asta, Casa Fluminense, Agência de Redes para a Juventude, Anistia Internacional, Cufa e Sistema B, entre outras.

Visão comum e atuação em rede

A ideia central do evento é construir uma visão comum sobre as periferias urbanas, independente dos países em que estejam localizadas, respeitando a diversidade, identidade, cultura, história e especificidades inerentes a cada lugar.

As favelas e periferias são espaços de convivência, trabalho, estudo e lazer de uma parcela considerável da população urbana no mundo contemporâneo. Ao desconsiderar a potência, e criatividade destes territórios, as cidades se negam a incorporar uma parte fundamental de sua riqueza cultural, étnica, social e econômica - que lhe dão sentido, identidade e humanidade.

Além disso, a representação preconceituosa destes territórios influencia diretamente nas políticas públicas implementadas nas regiões mais pobres das cidades. Em vez de efetivar as reais demandas dos seus moradores, estas políticas acabam por reforçar estigmas e fragilizar o direito destas populações à cidade – ampliando o ciclo de exclusão já existente.“Este seminário é o pontapé para o fortalecimento de uma série de ações que já acontecem paralelamente, entre várias organizações”, explica Jailson Silva, coordenador do seminário e da ONG Observatório de Favelas. “Pretendemos promover a troca de conhecimento, o intercâmbio e fomentar a atuação em rede destes sujeitos que atuam e pensam as periferias dos grandes centros urbanos no mundo contemporâneo”, completa.

Ao final do encontro, as organizações devem aprovar e divulgar um documento comum, intitulado “Carta da Maré”, construído e discutido conjuntamente ao longo dos últimos meses, e que apresenta características que unificam e aproximam estes territórios – não importa em que país estejam.

A “Carta da Maré” pretende ser um documento que norteia discussões e ações que afirmem a condição cidadã de todos os moradores das periferias, que devem ter seus direitos sociais garantidos na forma de políticas públicas construídas de acordo com as características e necessidades de cada território.

“É preciso dar mais visibilidade às periferias, reconhecer e valorizar a sua potência e inventividade. Em um momento em que o mundo está dominado pela segmentação e rejeição ao outro, precisamos construir pontes e valorizar o que nos une”, finaliza Jailson.

Confira alguns dos convidados que estarão presentes no seminário:

Carlos Cruz é mexicano, ex-líder de gangues da Cidade do México até que, depois de ser preso, apanhar por uma semana seguida e ver mais de 20 companheiros serem assassinados em poucos anos, Carlos Cruz resolveu dar um basta a esta situação. Hoje ele é coordenador da bem-sucedida ONG "Cauce Ciudadano", fundada em 2000 e que trabalha com jovens, incluindo membros de gangues de grandes cidades mexicanas.

Lukas Jaramillo Escobar
é diretor executivo da Casa de Las Estrategias, em Medellin, Colômbia. Cientista político, é especialista em resoluções de conflitos pela Universidad de los Andes e se dedica ao estudo de jovens e adolescentes em zonas de conflito e dominadas por paramilitares - http://casadelasestrategias.com

Alito Siqueira é um queniano/indiano que foi professor da Universidade de Goa por quase 30 ano (1987 a 2015) - fala português, portanto. Hoje ele é investigador independente e estuda/pesquisa sobre as consequências do turismo na biodiversidade e na cultura ancestral desta região da Índia, além de questões ligadas à espiritualidade e religiosidade deste povo. Foi consultor do curta "Staying Awake for god", sobre o festival religioso que une cristãos e hindus todos os anos na ex-colônia portuguesa - https://vimeo.com/18668418

Cathy McIlwaine - Inglesa, é pesquisadora e professora de geografia da Queens Mary University of London. Ela estuda a relação entre questões de gênero, pobreza e migração transacional, particularmente em países da América Latina, e as comunidades latino-americanas em Londres (e suas condições de trabalho, moradia e acesso a serviços essenciais).

Sílvia Ferreira – Professora Doutora em Sociologia da Universidade de Coimbra, Portugal. Suas pesquisas têm focado a reforma da segurança social, o terceiro setor e as políticas sociais, o papel das organizações do terceiro sector na promoção da igualdade entre sexos, empreendedorismo social e inovação social na economia social e solidária, o voluntariado e a governança por meio de parcerias locais Estado/terceiro setor.

Redy Wilson,cabo-verdiano, doutorando em Estudos Urbanos na Universidade de Lisboa em Portugal. Coordena o Instituto de Estudos Urbanos e Culturais de Cabo Verde e desenvolve pesquisas abordando as questões urbanas, culturas infanto-juvenis, gangues de rua, cultura hip-hop, deportações, participação sociopolítica, sexualidade e criminalidade organizada no contexto da sociedade cabo-verdiana.

Miguel de Barros, sociólogo e pesquisador de Guiné Bissau,desenvolve pesquisas nas áreas de juventude, voluntariado, sociedade civil, media, direitos humanos, governação comunitária, segurança alimentar, migrações, feiras livres, literatura e música rap. É diretor da ONG Tiniguena, que atua na conservação da biodiversidade agrícola, a gestão durável dos recursos naturais, a valorização dos produtos e saberes da biodiversidade, a informação e sensibilização e o exercício da cidadania.

Luca Bussoti é italiano, coordenador do programa de pesquisa “Media e violações dos Direitos Humanos na África Lusófona”, ligado ao Codesria (Council for the Development of Social Science Research in Africa), diretor da publicação “Lusitánica” (L’Harmattan Italia, Turim) e autor de vários trabalhos sobre desenvolvimento com foco na Africa Lusófona, sobretudo Moçambique.

Udi Mandel é um professor universitário inglês que viveu no Rio trabalhando com projetos voltados para jovens e adolescentes de favelas e periferias. Documentarista, hoje toca o projeto Enlivened Learning - onde ele viaja vários países do mundo documentando experiências de ensino superior sobretudo as voltadas para populações periféricas e indígenas.

Serviço

Seminário internacional “O que é a periferia afinal e qual o seu lugar na cidade?
Data: dias 16 e 17 de março (quinta e sexta)
Hora: Das 9 às 18h30
Local: Galpão Bela Maré – Maré - Rio de Janeiro




Fonte: Instituto João e Maria Aleixo

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais