Brasil

22 de fevereiro de 2017 - 10h43

Aumenta tendência de segundo turno nas eleições do Equador


Efe
O CNE ainda não divulgou o resultado final da apuração de votos, mas acredita que a disputa irá para o segundo turno O CNE ainda não divulgou o resultado final da apuração de votos, mas acredita que a disputa irá para o segundo turno
“Temos uma tendência marcada, e se este é o caso, haverá um segundo turno”, declarou Pozo em entrevista coletiva à imprensa na sede do CNE. Com 94,6% das urnas apuradas, o governista Lenín Moreno tem 39,2% dos votos, vencendo o opositor Guillermo Lasco, com 28,37%, o que representa uma tendência que ficou estabelecida com clareza, indicou Pozo, que não quis falar de forma clara se haverá segundo turno.

No entanto, ao ser questionado sobre a possibilidade de que Lenín chegue aos 40% necessários para ser declarado vencedor no primeiro turno das eleições, Pozo afirmou que “não é possível”.

O responsável pelo CNE ressaltou que desde o início a apuração manteve uma tendência estável, mas reforçou que vai esperar a apuração terminar para divulgar os resultados oficiais das eleições presidenciais.

"Esperaremos o fechamento da apuração nas 24 províncias para entregar resultados", disse Pozo em resposta às perguntas dos jornalistas sobre a possibilidade de segundo turno.

No Equador, para ser eleito presidente no primeiro turno, é preciso ter mais de 50% dos votos ou pelo menos 40%, desde que com uma diferença de dez pontos percentuais para o segundo mais votado.

Como os dados mostram a tendência de estabilidade nos resultados, Pozo lembrou que, no domingo (19/02), Lenín Moreno passou de 38,26% dos votos, com 51,8% apurados, para 39,20%, com 94,6% da apuração concluída.

O presidente da CNE indicou que a apuração foi concluída em 18 das 24 províncias do país. Nas seis restantes ainda é preciso examinar atas que apresentam "inconsistências" e devem ser tratadas em audiências públicas nas juntas provinciais eleitorais.

Pouco antes das declarações de Pozo, Lenín disse estar pronto para a nova rodada da disputa eleitoral. “Caso haja um segundo turno, já estamos com nossos uniformes de campanha”, afirmou o candidato da Aliança País, do presidente Rafael Correa.

O banqueiro Lasso, candidato pela aliança Creo, realizou um comício nesta terça-feira em Quito, capital equatoriana, celebrando a iminente passagem para o segundo turno. Depois de agradecer a seus eleitores e comemorar o “triunfo”, o candidato conservador pediu que seus apoiadores “se mantenham vigilantes até que reconheçam oficialmente” a nova rodada eleitoral.

Além de votar por um novo presidente, os 12.800.000 equatorianos escolheram no último domingo (19) os 137 membros da Assembleia Nacional e os cinco representantes do país no Parlamento Andino.

O pleito de domingo trouxe também uma consulta popular sobre se permitir ou proibir que autoridades eleitas depositem seu dinheiro em paraísos fiscais.

De acordo com dados também preliminares, a governante Aliança País obteve ao menos 76 cadeiras no Parlamento, o que lhe garante o controle do órgão legislativo, e a maioria dos equatorianos votou a favor de proibir que servidores públicos depositem seu dinheiro no exterior.


Fonte: Opera Mundi

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais