Cultura

13 de fevereiro de 2017 - 11h14

Urariano Mota: O frevo que se canta hoje no Recife


   
Para mim, coisa melhor não há, e me deixei ficar em desarmada prelibação do que viria. Um calor de felicidade correu no peito em atenção à lembrança que guardamos da letra, da canção, do coral de Batutas de São José, do tempo imorredouro da melodia. Então a voz da cantora soltou:
“Felinto, Pedro Salgado, Guilherme, Fenelon
Cadê teus blocos famosos?...”

Mas esses primeiros versos não dizem bem o que ouvi. Outra canção se fez presente já no começo, porque a cantora cometeu um “Fê-linto”. De imediato, esclareço que tal variação na prosódia local não é coisa boba, sem importância. Nós estamos falando de um hino da cidade. Trata-se de uma das maiores obras de Nelson Ferreira. Mas o melhor veio depois. Terminada a música, fui ao animador do encontro e lhe fiz ver que aquela “pronúncia” não era conforme a original. Então ele me respondeu com o ar mais puro da tarde:

- Todos cantam assim.

Eu lhe respondi:

- A gravação original da Evocação nº 1 não é assim.

O rapaz ficou atônito. Que coisa mais chata é esse cara vir dizer que estão cantando mal Nelson Ferreira. Mas ele foi salvo por uma senhora, que a tudo ouvia e, mesmo sem ser chamada, achou por bem intervir. Ela me mostrou o celular onde estava a letra da Evocação no trecho “Felinto, Pedro Salgado....”. E me disse:

- Está vendo? É assim que se escreve: Fê-lin-tô.

Toma, além de me ver como um homem sem memória, ela me transformou num analfabeto. Eu lhe respondi:

- É assim que a senhora lê? Fê-lin-tô?

- Sim - E me fitou de cima a baixo, indignada, como a me responder “se o senhor não sabe ler, o problema é seu”. Mas veio mais suave, apesar de autoritária: - Eu sou professora de português.

- Então a senhora sabe que as palavras não se leem como se escrevem.

- É? Saiba que português não é inglês. É diferente: aqui a gente lê como se escreve.

Vocês veem que era um diálogo impossível. Uma verdadeira peleja do bem, que é a nova pronúncia, contra o mal, que pesquisa a história de uma cidade. E o mal sempre perde no fim. Mas para o leitor retomo a palavra que não pôde ser ouvida. Primeiro, escute a gravação original da Evocação nº 1.




Ouvimos Filinto, não é? Depois, ouça os Fê-lintos, até no Bloco da Saudade. 



Lembro que a mudança no som das vogais não é exclusiva da Evocação nº 1. Cantam agora o Bloco da Vitória, de Nelson Ferreira, assim: “quando o povo dê-cide”.



Ora, o verso de Nelson vinha do refrão eleitoral “quando o povo diz Cid”. O original do Bloco da Vitória fazia um trocadilho entre “o povo diz Cid”, da campanha de Cid Sampaio em 1958, e o verbo decidir. Daí que “diz Cid” virou “decide” na letra e dicide no som. 



Mas por que a mudança hoje? Seria uma evolução natural da língua, que virou a nova prosódia pernambucana? Na verdade, os cantores dos frevos de bloco reproduzem um modelo de fala que julgam culta, educada. É constrangedor ouvir, ver blocos de carnaval do Recife submissos à prosódia dos apresentadores de televisão. Cantam Nelson Ferreira traduzido para um modelo de locução que vem de fora. Nada mais antipernambucano, violentador da história da cidade.

A nossa elite não sabe, despreza: a fala popular é a própria língua da história. A população fala a língua que guarda um fio de continuidade entre a identidade de um lugar e a civilização. Os professores deviam gravar a fala do povo nas feiras, nos mercados públicos. Aí aprenderiam que Felinto sempre foi Filinto, jamais Fê-lin-tô. Pelo menos no Recife.


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais