Brasil

4 de janeiro de 2017 - 16h17

Juíza suspende demissões na Fundação Piratini até acordo coletivo


   
Na terça-feira (27), outra liminar emitida pela Justiça do Trabalho havia determinado que a Fundação teria 24 horas para se manifestar sobre o caso. A juíza rejeitou a alegação dos representantes do Executivo, responsáveis pela direção da Fundação, de que os sindicatos careciam de "interesse processual", já que a lei que determina as extinções ainda não foi sancionada.

Para ela, os sindicatos autores não precisariam de interesse processual para pedir pela "proteção de um direito alegadamente na iminência de ser violado". A juíza disse ainda que a alegação sobre o sancionamento da lei por parte do governador como condicional para que o pedido dos sindicatos tenha validade, também não se sustenta, já que seria "pouco crível que ele mesmo venha a vetar texto de sua autoria".

Maria Teresa Vieira da Silva Oliveira determinou ainda que, como a dispensa de todo o quadro "extrapola o direito individual de cada funcionário", a participação dos sindicatos é obrigatória nas negociações sobre as demissões na Fundação Piratini. A juíza determinou ainda que a Fundação Piratini não poderá prosseguir com a dispensa de funcionários que integrem as categorias dos dois sindicatos autores da ação até que o processo de acordo coletivo seja concluído. Se descumprida a ordem, a pena é de multa diária é de R$ 10 mil por servidor dispensado

Pacote de maldades de Sartori

Na avaliação do presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Rio Grande do Sul (CTB-RS), Guiomar Vidor, o pacote anunciado por Sartori demonstra seu descompromisso com o projeto de desenvolvimento do estado. Segundo ele “Ao extinguir as fundações, abre-se mão de instrumentos essenciais para que o Estado possa ter todo um sistema de pesquisa, estudos, conhecimento e de planejamento”, frisa o dirigente.

De acordo com Vidor a extinção das fundações irá acentuar ainda mais o problema do desemprego. “Serão 1,2 mil pessoas que ficarão sem trabalho. Isso terá impacto direto na distribuição de renda e no crescimento econômico do Estado”, avalia.

“A ofensiva do Governo do Estado é contra os direitos dos trabalhadores e, principalmente, contra os servidores públicos ao implementar políticas de parcelamento do 13º e propor o pagamento dos salários até o dia 20 do mês seguinte”, denuncia o sindicalista.


 Fonte: CTB

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais