Brasil

30 de dezembro de 2016 - 10h56

Arnaldo César: Como se livrar dos trapaceiros 


Tijolaço
O governo golpista hoje  deu um refresco à mídia ou, como preferiu Fernando Brito em O Tijolaço, um sorvete – O Haagen Dazs de Temer para a mídia no réveillon é a cara do dono.  O governo golpista hoje deu um refresco à mídia ou, como preferiu Fernando Brito em O Tijolaço, um sorvete – O Haagen Dazs de Temer para a mídia no réveillon é a cara do dono. 
A coisa anda tão feia que até a imprensa amestrada não consegue tapar o sol com a peneira. Pacotinhos, pacotes e pacotões, assim como reforminhas, reformas e reformonas são anunciadas a cada semana. Nada dá os resultados prometidos. Tanto que os colunistas igualmente golpistas passaram a fazer cobranças severas.

Mas, para domesticá-la, o governo golpista hoje lhe deu um refresco ou, como preferiu Fernando Brito em O Tijolaço, um sorvete – O Haagen Dazs de Temer para a mídia no réveillon é a cara do dono. Nos anúncios de página inteira para não se dizer que faltaram com a verdade, digamos que ela foi escamoteada. Brito ressalta:

“A marotagem da peça começa no título. Temer faz “apenas” 120 dias de Governo, embora o usurpador esteja no poder há 200, desde que afastaram Dilma. E, neste período de formal interinidade, em nada se acanhou de fazer e desfazer, como ficou claro ao mandar ao Congresso uma emenda garroteando as verbas de Saúde, Educação e Assistência Social por nada menos que 20 anos, cinco mandatos presidenciais“, adverte Brito na sua página.

E, não há de vê que colocaram nas masmorras de Curitiba, o chefe–mor do movimento golpista, o ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha!

O ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, tido e havido como um jovem promissor peemedebista a ocupar o Palácio do Planalto vive momentos de extrema aflição. Ele e a patroa Adriana Anselmo costumam aparecer nos noticiários com as caras emburradas, trajando singelas camisetas esverdeadas de algodão, fornecidas aos comensais do Complexo Penitenciário de Bangu.

Logo Serginho! Homem de fino trato submetido a andrajos desses. É bom não esquecer que, ultimamente, ele só se cobria com ternos com a etiqueta Ermenegildo Zegna de R$ 140 mil a unidade. É um sofrimento atrás do outro. Agora, com os termômetros insistindo em ultrapassar a casa dos 44 graus, no vale que abriga o conjunto de cadeias em Bangu, o ex-governador não tem direito nem a um mísero ar condicionado.

O falacioso senador Romero Jucá (PMDB-RR), um dos mais dedicados articuladores do golpe, costuma ficar sem fôlego quando ouve história a respeito do calvário em que meteram o seu colega Cabral, no fumegante Bangu 8.

Se a chapa está quente para os protagonistas desta história de horrores, o que dizer do povo brasileiro? O que não dizer daquela multidão de coxinhas que desfilou pela Avenida Paulista, em São Paulo, rodeada por bandos de patos amarelos infláveis, financiados pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp)? Todos foram ludibriados por uma súcia de trapaceiros.

A economia não melhorou e dificilmente irá melhorar nos próximos sete meses. O País está andando a deriva e poderá adernar daqui para frente. A camarilha Temer já demostrou que não tem condições de livrar a nação deste naufrágio. Muitos deles – e o próprio presidente golpista – estão na alça de mira da Justiça.

Não será surpresa se alguns – ou todos – forem fazer companhia a Eduardo Cunha, na capital paranaense ou a Serginho Cabral nas escaldantes celas da Zona Oeste do Rio.


*É jornalista e colaborador permanente do Blog

Fonte: Blog do Marcelo Auler

Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a opinião do portal Vermelho

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais