Cultura

30 de abril de 2017 - 12h11

Belchior, voz cortante do tempo presente


Divulgação
Se de fato vida é uma aventura da qual não sairemos vivos, com Belchior a alma fala o que deseja Se de fato vida é uma aventura da qual não sairemos vivos, com Belchior a alma fala o que deseja
Palavras poéticas em forma de canções influenciadas pelos repentistas das feiras ou pelas mais conceituadas bibliotecas de mosteiros ou livros de bolso, ao som e poesias de Drumond, Dylan, Balzac, Lennon, Deus e o diabo, Nelson Gonçalves, Bilac, Lennon, Dante, João Cabral, Zé Limeira (mesmo morrendo ano passado, mas neste não) e mais um porção de universais e regionais manifestações poéticas e estéticas do cotidiano, dos humilhados do parque ou de magníficos e ilustrados reitores, a quem deve por trocar o bisturi pela viola e a lâmina do brado, porque sempre cabe alguém debaixo dos seus lençóis, nessa eterna aventura de viver. Um caleidoscópio tão colorido quanto as roupas embaladas por loucuras, chicletes e sons que anunciavam uma mudança ainda por vir. Virá sim, vai acontecer, mesmo alguns já tendo voltado para casa, chegando a tempo para a hora do almoço.

Sem comparações, foste tu "um Chico, um Gil, um Caetano", quem sabe!? Mas foste parido um pouco mais acima, nordestinamente falando, em ilhas mais distantes, também pelo peso da gravidade e busca de terras civilizadas, caiu no sul grande cidade, e como poucos, fez verbo a dor, a fúria e a paixão de quem ofereceu muito mais para o Brasil do que o inverso.

Estás na mesma "prateleira" (prateleira não soa bem, nenhum supermercado satisfaz teu coração....já que falaste em milionário socialista, permita-me), nem acima, nem abaixo dos geniais bárbaros baihunos, sem queixa; o sol não é tão bonito pra quem vem, foste só um pouco "maldito fora da lei" das segundas páginas e dos analistas críticos que, evidente, esqueceram de ouvir, que ironia o lado B. Ainda tem o fato de cantares por música, não por dinheiro, pra pagar o aluguel, além do quê, mesmo cantando como ninguém o sinal fechado pra nós, o exílio e a volta do concorde aos trópicos, desejando o já distante humor das praças, devorado pelos shopping centers, o que temias já havia chegado. Mas será se alguém se atreve a ir comigo além de lá, do shopping center? Será? Ou você não sente e não ver que uma nova mudança em breve vai acontecer?
Cortante como uma lâmina, a palavra cantada de um rapaz latino que canta e requebra, com cravos e espinhas no rosto, nos coloca no centro da ferida viva da alucinação de suportar o dia a dia e do delírio com as coisas reais.

Para além do sensacionalista questionamento, por onde anda Belchior? Sabes e nós também, o teu lugar é onde você quer que ele seja, mesmo porque viver é melhor que sonhar, quem dera a juventude a vida inteira. Mesmo sem motivos para festa, que não bata a porta em seu nariz, muito menos apontem o dedo te mandando calar ou para saciar o público da sociedade do espetaculo, te cacem como um procurado "fora da lei". Enquanto houver espaço e tempo(menores a cada dia), pode cantar, continue a andar caminho errado, pela simples alegria de ser. Não há tempo para cair na légua tirana, atenção com as curvas do caminho, não dances pelo caminho. Mas se a saudade bater saiba que o cajueiro anda florando e a rede branca ainda balança sob intenso brilho tropical nas terras da "dunas brancas".

Se de fato vida é uma aventura da qual não sairemos vivos, com Belchior a alma fala o que deseja em voz rara tal taquara rachada. Voz que bem ou mal, saiu no rádio e no alto falante, em versos adolescentes, como apertar tua mão, por medo de avião. O canto torto feito faca, fez sentido para turma de outros bairros também, alcançou lugares inimagináveis, caindo como pedra sobre o povo. Ela é afiada, a palo seco, expressa, não unicamente, mas como poucas e raras possibilidades estéticas e artísticas da contemporaneidade em tristes trópicos, os sonhos, sons, desejos, dores e gozos de um país e sua gente. Gente que drome, cala e consente ou gente, que prefiro, e tentas sem arrogância ou querer ser porta voz, alertar antes de um bárbaro fim. Falo da rapazeada e a moçada do dedo em V, que brada com voz e cartazes(eles voltaram, os discos e as vitrolas também), abraços e canções e penso saber terem a certeza de o que transforma o velho no novo, bendito o fruto do povo será, e de que precisamos de fato rejuvenescer.

Nunca estiveste tão presente, aliás, já ouviu falar de política ou não? Mesmo sendo do proletariado um roqueiro fingido, abandonaste a escola, mas não voltaste para casa, estás aqui, nestas linhas tortas e mal traçadas letras, na turma do outro bairro, na mão que planta o milho ou nos olhos que contemplam o Ypê, nas estradas, lá na praça de gente jovem reunida, nos cabarés da Lapa onde morou, na divina comédia da eternidade do nada, num quarto de pensão, na profundidade para além de um encontro ou uma transa sensual, no coração do Brasil, no vento que traz o cheiro da nova estação, no poder das flores, na alegria de viver, em todo canto menor do que vida de qualquer pessoa, contando tudo que viveu e aconteceu contigo, conosco, sem levar flores para cova do inimigo, sendo livre, como as palavras, compostas com sangue, sonhos e sons, sempre desejosas para que uma nova mudança aconteça, pois sempre amar e mudar as nos interesse mais.

Ps: Evidente que tudo não estaria na tua palavra cantada, mas quase tudo está, pois nos resta sempre o ofício de inaugurar a vida inteiramente livre e triunfante, tarefa tão grandioso quanto a aventura de viver, destino que traçamos com o suor das nossas mãos, embalados não somente com sua voz mas, evidentemente, mais alegre e vibrante com ela.

**Artigo publicado à época do aniversário de 70 anos de Belchior


Antonio Carlos de Freitas Souza é professor de Filosofia da rede pública estadual do Ceará

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais