Movimentos

14 de setembro de 2016 - 11h06

Entidades lançam manifesto contra advogado que agrediu Vanessa 


Agência Senado
   
“A violência contra a senadora Vanessa, é na prática a violência contra as mulheres, e se constitui em uma prática machista e covarde, e deve receber a reprovação das entidades e da sociedade em geral”, diz um trecho do manifesto.

A parlamentar tem recebido fartos materiais indicando que Demchuk é contumaz agressor de mulheres, crianças, juízes e quem cruzar seu caminho, de acordo com o Ministério Público do Paraná.

No último dia 30 de agosto, por exemplo, o promotor de Justiça Dicesar Augusto Krepsky ofereceu denúncia contra Demchuk, que, conforme relato, teria desferido chutes e pontapés contra um casal e atingido até um bebê de dez meses com spray de pimenta.

Em recente pronunciamento no Senado, Grazziotin disse que o advogado agressor agiu “com violência extrema” após ser agredida verbalmente.

“Eu fui agredida fisicamente por esse senhor, que espero que pague, pague, com toda a força e determinação da Justiça brasileira”, protestou a senadora do PCdoB, que recebeu a solidariedade de seus pares de todos os partidos políticos.

Histórico de violência

Descontrolado e voraz, Paulo Demechuck é conhecido no meio jurídico como um homem que não controla seus impulsos. Agressivo, acumula queixas de agressões físicas e verbais em sua carreira conforme relatos. Nem mesmo magistrados parecem merecer o respeito do advogado. Não são poucos os relatos e queixas que recaem contra o advogado sobre desacato e ofensas a magistrados nos tribunais.

Respondendo processos pesados por estelionato, fraudes processuais e agressões físicas e verbais, Demechuck é um homem que se coloca acima da lei e legitima o que ele chama de “direito de hostilizar”. Um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL) e do movimento separatista ‘O Sul é Meu País’, Demechuck voltou as manchetes policiais nas últimas semanas após agredir a senadora Vanessa Graziotin (PCdoB-AM) no Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba.

Repetindo seus dias de fúria, como corriqueiramente fez nos últimos anos, o advogado avançou contra a senadora promovendo uma constrangedora sessão de insultos e ofensas verbais, além de tentativas claras de agressões físicas que não foram consumadas graças a intervenção de terceiros. “Defendo o direito de hostilizar”, repetiu Paulo à imprensa, como num mantra diabólico em defesa de seu ódio.

Em meio a seus devaneios separatistas e um ódio claro as minorias e, principalmente àqueles que lhe oferecem resistência a seus atos ilícitos, Paulo Demechuck afunda em pesados processos que lhe acusam desde estelionato, a fraudes e agressões, ao tempo em que brada por um Brasil livre de corrupção. Demechuck aguarda julgamento.

Leia a íntegra do manifesto de 27 entidades em repúdio a Paulo Demechuk:

Entidades do movimento social, de mulheres, feministas e de direitos humanos do Paraná repudiam advogado que agrediu a Senadora Vanessa Grazziotin 


As Entidades do movimento de mulheres, feministas e de Direitos Humanos do Paraná vem a público manifestar seu repúdio a atitude do advogado Paulo Demchuk que em atitude de completo destempero e com violência agrediu a Senadora Vanessa Grazziotin que desembarcava no aeroporto em São José dos Pinhais para visitar sua mãe que reside na capital paranaense.

As Entidades clamam pelo resgate aos fundamentos da Constituição que é o respeito do princípio da dignidade humana. É preciso que defendamos uma sociedade que consiga viver na pluralidade, aceitarmos e respeitarmos as ideias contrárias e assegurarmos que essas ideias possam se manifestar. Os atos de violência depõem contra o Estado Democrático de Direito e a Constituição e são intoleráveis.

A violência contra a senadora Vanessa, é na prática a violência contra as mulheres, e se constitui em uma prática machista e covarde, e deve receber a reprovação das Entidades e da sociedade em geral.

Neste caso, o que causa ainda mais indignação é constatar que o agressor é membro da Comissão de Ética da OAB – Paraná, representante de uma organização política o qual deveria ter maior dever ético e moral em observar as leis o respeito e os bons costumes.

Ante a tal fato horrendo as entidades signatárias condenam veementemente a atitude agressiva e covarde do advogado Paulo Demchuk e colocam-se solidárias à Senadora Vanessa Grazziotin.
Diante da gravidade do episódio, o qual deve envergonhar a Cidade de Curitiba e o Estado do Paraná, conclamamos no sentido de apurar os fatos e punir rigorosamente o referido advogado que, no nosso entender, perdeu a condição ética e moral.

Chega de violência contra a mulher!

Por uma cultura de paz!

Curitiba, 12 de setembro de 2016.

ASSINAM:

UNIÃO BRASILEIRA DE MULHERES – UBM – Paraná
MARCHA MUNDIAL DE MULHERES – MMM
REDE DE MULHERES NEGRAS DO PARANÁ
REDE FEMINISTA DE SAÚDE DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS – Regional Paraná.
FÓRUM POPULAR DE MULHERES DO PARANÁ
ONG MARIA DO INGÁ PELOS DIREITOS DA MULHER
CASA LATINO AMERICANA – CASLA
COLETIVO DE ADVOGADOS (AS) PELA DEMOCRACIA
SERVIÇO DE PAZ E JUSTIÇA – SERPA
MOVIMENTO MULHERES PELA DEMOCRACIA – PARANÁ
UNIÃO DA JUVENTUDE SOCIALISTA – PARANÁ
UNIÃO PARANAENSE DE ESTUDANTES
UNIÃO PARANAENSE DE ESTUDANTES SECUNDARISTAS
SINDIPETRO
SINDISAÚDE
SENGE – PARANÁ
CENTRAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO BRASIL- CTB – PARANÁ.
COLETIVO DE MULHERES DA CUT – PR
FETEC – PARANÁ
GRUPO DIGNIDADE
CEPAC CENTRO PARANAENSE DA CIDADANIA
ESPAÇO PARANAENSE DA DIVERSIDADE LGBT
INSTITUTO BRASILEIRO DE DIVERSIDADE IBDSEX
DOM DA TERRA AFRO LGBT
ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DA PARADA DA DIVERSIDADE – APPAD
ALIANÇA JOVEM – LGBT
FÓRUM PARANAENSE DAS RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS




Fonte: Blog do Esmael 

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais