Movimentos

7 de setembro de 2016 - 16h41

Grito dos Excluídos em Salvador faz coro com o país: Fora Temer 


Bahia Notícias
A candidata à Prefeitura de Salvador, Alice Portugal, participou da manifestação do Grito dos Excluídos.  A candidata à Prefeitura de Salvador, Alice Portugal, participou da manifestação do Grito dos Excluídos. 
Padre José Carlos Silva, coordenador das Pastorais Sociais da Arquidiocese de Salvador, disse que a pauta do evento anual permanece pelos pobres e menos favorecidos, mas este ano é também pela democracia. “A gente tem que lutar pelos mais pobres e se, neste momento, os pobres ficam cada vez mais excluídos, a Igreja tem que estar do lado deles, e apoiando. É por isso que hoje, no Grito dos Excluídos, a gente diz também "Fora Temer”, afirmou o líder religioso.

Concentrados na Praça Dois de Julho, no Campo Grande, os manifestantes saíram em passeata, até a Praça Castro Alves, pela Avenida Sete de Setembro. Minutos antes, pela mesma via, passou o desfile cívico, em comemoração à Independência do Brasil.

A estudante Marcela Carvalho, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), representante do Coletivo Juventude e Revolução, afirmou que Michel Temer representa a queda da democracia, "já que entrou na presidência por meio de um golpe".

“Estamos aqui em defesa da democracia e contra o golpe de Estado no país. A UFBA vem sofrendo corte nas verbas, e isso é uma afronta, porque é um caminho para a privatização da universidade pública. Estamos aqui em defesa disso, defendemos o governo de Dilma, que foi eleita democraticamente com 54 milhões de votos”, disse a estudante de Artes Cênicas.

"Nenhum passo atrás/É Fora Temer e eleições gerais”

Também representando coletivos populares, grupos de jovens negros gritavam pela democracia a cantavam palavras de ordem contra o atual presidente. Frases como "Nenhum passo atrás/É Fora Temer e eleições gerais”, foram cantadas pelos manifestantes que estavam, em maioria, vestidos de vermelho e branco, carregando faixas, cartazes e bandeiras contra Michel Temer.

“Estamos aqui na rua, lutando contra o golpe e a favor da vida do negro, do candomblecista, do pobre, e este governo não nos representa. Estamos aqui pedindo eleições diretas, porque não podemos ser contra a democracia. Além do retrocesso, neste ano em que lutamos contra o golpe, queremos a manutenção dos direitos que conquistamos. E esse governo não nos representa, porque ele não luta pelos negros, pelas mulheres e pelas minorias”, declarou uma das integrantes do Coletivo de Entidades Negras (CEN), Carine Machado.

Representando o Sindicato dos Trabalhadores Domésticos da Bahia, uma das diretoras da entidade, Marinalva Barbosa, disse que é contra a chegada de Temer à Presidência da República. “Isso é um retrocesso aos movimentos sociais e às políticas públicas que estavam em andamento, por isso dizemos "Fora, Temer". A gente vê nossos direitos ameaçados e até mesmo aqueles que ainda queremos reivindicar. Para nós, o dia 31 de agosto foi o dia da morte da democracia brasileira”, afirmou Marinalva. 


Fonte: Agência Brasil 

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais