Brasil

18 de agosto de 2016 - 16h21

Petróleo é vendido por golpistas a preço de refrigerante 


   
Considerando as previsões declaradas pela empresa norueguesa, que considerou haver reservas entre 0,7 e 1,2 bilhão de barris (bbl) em Carcará, o preço do barril poderá variar de US$ 3,57/bbl a US$1,25/bbl – valor de um suco industrializado ou de uma lata de refrigerante.

A federação anunciou que vai ingressar na Justiça com uma ação para reverter o negócio, já que a Petrobras vendeu sua participação integral de 66% em Carcará por US$ 2,5 bilhões, quando – segundo a entidade de geólogos – o negócio vale várias vezes mais. “É como vender por um milhão uma casa que vale 15 milhões”, compara a entidade numa nota em que repudia a venda.

Em valores, o que o governo golpista entregou para o capital estrangeiro somente nessa transação supera muito o que foi desviado pela Petrobras e que está sob investigação da Lava Jato.

Parlamentares do PT apoiam a iniciativa da entidade. “Para os geólogos, não há justificativa plausível para a venda: o governo golpista vendeu o Campo de Carcará a preço de banana”, diz o deputado Wadih Damous (PT-RJ) sobre o negócio.

“A Federação Brasileira de Geólogos tem fortes argumentos para questionar essa venda na Justiça, mostrando que a venda foi realmente lesiva à Petrobras”, acrescenta o deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

Dimensionando o prejuízo


Para dimensionar o prejuízo, vale entender os números que envolvem a Carcará e compará-los com os valores de outro negócio fechado pela Petrobras, que foi o leilão do Campo de Libra, arrematado por consórcio do qual a própria Petrobras fez parte.

A Febrageo, no documento de repúdio, mostra que a Petrobras pagou um preço médio de US$ 8,51/bbl na aquisição onerosa das acumulações de Libra/Tupi. Isso significa que, levando em conta a reserva de 0,7 bilhão de barris em Carcará, a empresa Statoil pagará aproximadamente 42% do valor pago pela Petrobras em um campo próximo.

A situação se agrava quando o volume considerado é o mais realista – o de 2,0 bilhões de barris em Carcará, o que reduz o preço a ser pago pela Statoil para US$ 1,25/bbl, ou seja, 31% do que foi pago pela Petrobras em Libra, segundo a federação.

Os geólogos representados pela entidade afirmam que é “estranha e imprópria” a política atual da Petrobras de valorar seus ativos exploratórios usando a expectativa mínima de sucesso ou somente com base em volumes provados, prática que está em desacordo com a maioria das companhias do mundo.

“Tal tipo de venda de patrimônio do povo brasileiro revela a postura de dirigentes mal-intencionados e descomprometidos com um projeto de construção nacional. Não dá para fazer outro juízo. Comportam-se como únicos vendedores que depreciam seus próprios e valorosos ativos”, afirma a Febrageo. 


Fonte: PT na Câmara 

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais