Brasil

23 de outubro de 2015 - 17h06

A poesia de Marcelo Adifa


Além de suas duas obras, Marcelo participou de diversas antologias temáticas com grandes poetas brasileiros, entre elas 29 de abril – o verso da violência. Na música, já compôs canções em parceria com Lula Barbosa, Vidal França, João Bá e Lluis Llach.

Leia os poemas de Marcelo Adifa:

Terra estranha

Acordar em terra estranha
estrangeiro sem direitos
Acordar sem corpo ou fala
sem valer homem
documento

Sendo apenas brasileiro

Pele

Pele por roupa
primeira veste
vestido que cai
por terra quando
o sangue desce

Pode ter frio
alma sem pele
pode ser frio
quem se despe

defronte
ao espelho
nudez inconteste
a alma ao avesso
por cima da pele

perde, pudera
a compostura
das vestes

Ahmed Moussa

Pedras, olhares
O sangue escorre
Pedras, soldados
lacaios fardados
Um tiro que explode

Tem dez anos e uma pedra
Há dez dias que não come
Há bloqueios nas estradas
que as crianças não entendem

Tem dez anos e se encolhe
Os obuses são como corvos
que procuram a carniça
(quem os lança é que fede!)

Tem dez anos e se retorce,
Já sem fome,
só com a pedra
e o corpo aberto de onde
mina a Palestina

Antirricha

A dor não tem escola
Faz-se sozinha, rasga
No murro ignorância
O limite da decência

O primeiro corpo
Disputado por cães
De quatro e duas patas
Reage e se arrasta
Ergueu um giz e rabisca
No asfalto manchado
A palavra Perdoo

Pouco perdura o traço
Pisado em fúria
Por quem nada sabe
A não ser receber ordens

Caído, o giz se perdeu
Desenha com sangue
No chão testemunha
A frase Não Calo e sorri
Derradeiro ante a turba
Tendo certeza da lição
Que deixa ao resistir

Do outro lado,
Em pé escudado
Soldado iletrado
Que recebeu a missão
Do tirano incrustado
Na cadeira de governador


Do Portal Vermelho

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais