Mundo

15 de dezembro de 2014 - 11h39

Conselho da ONU pode votar prazo para o fim das ocupações israelenses


Asia News
Colônias israelenses Gush Etzion na Cisjordânia. Colônias israelenses Gush Etzion na Cisjordânia.
Outra proposta, articulada pela França com o apoio do Reino Unido e da Alemanha, define o limite de dois anos para que as negociações de paz entre Israel e a Palestina sejam concluídas.

Israel é contra as duas resoluções. O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, se encontra nesta segunda-feira (15), em Roma, na Itália, com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para discutir as propostas. Ao deixar Israel esta manhã para o encontro, Netanyahu disse que “vai repelir qualquer tentativa de acordo unilateral que traga terror ao Estado de Israel”.

Amanhã, Kerry se encontrará com o líder palestino, Saeb Erekat, e com uma delegação de ministros das Relações Exteriores árabes. Eles pedirão aos Estados Unidos que não usem o poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para bloquear as propostas. Além dos Estados Unidos, a China, Rússia, França e o Reino Unido têm poder de veto no conselho.

As negociações de paz entre Israel e a Palestina, mediadas pelos Estados Unidos, fracassaram em abril. Desde então, palestinos têm feito esforços unilaterais nas Nações Unidas para garantir a formação de seu próprio Estado na área ocupada da Cisjordânia e na Faixa de Gaza, tendo Jerusalém Oriental como capital.

Na Europa, um movimento crescente pelo reconhecimento do Estado Palestino levou à recente aprovação de moções nos parlamentos do Reino Unido, da Espanha, França, Irlanda e de Portugal. A Suécia foi o primeiro país da Europa Ocidental a reconhecer a Palestina como Estado. O Parlamento Europeu pode votar quarta-feira (17) resolução pedindo aos países-membros da União Europeia que reconheçam o Estado Palestino.

Fonte: Agência Brasil


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais