América Latina

28 de outubro de 2014 - 11h02

Fim do bloqueio a Cuba: ONU vota demanda pela 23ª vez


Telesur
A sessão de votação da ONU pelo fim do bloqueio estadunidense a Cuba acontece nesta terça-feira (28). A sessão de votação da ONU pelo fim do bloqueio estadunidense a Cuba acontece nesta terça-feira (28).
Muitos coincidem quando o tema é a necessidade de por fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro mais longo da história da humanidade. Há 23 anos, Cuba tem o respaldo da comunidade internacional em relação a isso. Mas, ainda que haja esperança, o pensamento não mudou nos últimos 11 governos dos Estados Unidos, incluindo o de Barack Obama.

Leia também:
New York Times pede que Obama acabe com o bloqueio a Cuba
"Genocídio contra Cuba deve cessar", diz embaixador da Bolívia na ONU
Entrevista: "EUA lucra com multas a países que têm vínculos com Cuba"

A plenária dos 193 membros da Organização das Nações Unidas (ONU) contará com intervenções de diplomatas sobre o tema e com a apresentação de um relatório do secretário geral, Ban Ki-moon. O documento contempla a postura da comunidade internacional e do sistema da ONU sobre o cerco imposto por Washington à ilha.

Acompanhe pelo infográfico abaixo o resultado das votações na ONU:

 
Na última sessão da Assembleia Geral, que aconteceu no final de setembro, pelo menos 13 presidentes abordaram a questão do bloqueio. Seus discursos foram dominados pela reivindicação. Nesta plenária, a rejeição ao bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba acrescentou mais vozes.

Venezuela, Bolívia, Rússia, Vietnã, Argélia, Jamaica, República Popular Democrática da Coreia, África do Sul, El Salvador, Moçambique, Tuvalu, Namíbia, Trinidad e Tobago, Dominica, Guiana, Antígua e Barbuda, Sri Lanka, Gabão, Gana, Peru, Tanzânia, Gâmbia e Chade, São Vicente e Granadinas, Burkina Faso, St. Kitts e Nevis, Ilhas Seicheles, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Síria, Laos e Vanuatu, entre outros, já disseram "não" ao bloqueio.

Apenas os Estados Unidos e Israel ainda defendem a medida na ONU, com a abstenção da Micronésia, Palau e Ilhas Marshall.




  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais