Brasil

20 de setembro de 2016 - 16h06

Renan arquiva pedidos de impeachment de Gilmar Mendes 


Agência Senado
Renan defendeu as condutas de Gilmar Mendes, criticadas pelos juristas, que apontaram como incompatíveis com o cargo de ministro da mais alta corte do País. Renan defendeu as condutas de Gilmar Mendes, criticadas pelos juristas, que apontaram como incompatíveis com o cargo de ministro da mais alta corte do País.
As ações apontam que Mendes ofendeu os princípios de impessoalidade e celeridade processual no julgamento de processos no Supremo. E que o ministro cometeu "atos incompatíveis" com a honra e o decoro no exercício de suas funções.

Os juristas que apresentaram pedido de impeachment acusam o ministro de adotar “comportamento partidário”, mostrando-se leniente com relação a casos de interesse do PSDB e “extremamente rigoroso” no julgamento de processos de interesse do PT e de seus filiados, “nomeadamente os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, não escondendo sua simpatia por aqueles e sua ojeriza por estes”.

Para Renan, “não cabe ao Senado, como já fizemos em outras oportunidades, processar e julgar o ministro por condutas atinentes exclusivamente ao cargo que ocupa, e nos exatos limites de seus poderes.”

E defendeu as condutas de Gilmar Mendes, quando ausente da Corte, ao manifestar suas opiniões pessoais, o que entende como "uma faculdade que é garantida a qualquer cidadão".






De Brasília, com agências

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais