Brasil

21 de janeiro de 2011 - 8h29

Lungaretti: só 11% do Parlamento Europeu apoiam moção italiana


A verdadeira notícia é a seguinte: dos 736 membros do Parlamento Europeu, apenas 86 se dignaram a comparecer para votar a estapafúrdia, inconsequente e meramente propagandística moção apresentada pelos neofascistas italianos.

Uma recomendação dessas só seria pertinente e cabível se endereçada a uma nação-membro... e o Brasil não integra a Europa, embora ela seja o continente do coração de alguns maus brasileiros, que não se vexam de assumir a defesa incondicional de interesses estrangeiros contra uma decisão soberana do governo de seu país.

Então, a grande imprensa vai trombetear a decisão e o placar (83 votos a favor, um contra e duas abstenções), mas esconderá que não se trata de assunto da alçada do Parlamento Europeu e que a votação se deu numa sessão fantasma, com risível comparecimento de 11,7% e anuência de 11,3% dos, repito, 736 membros. Não se mencionará que era este o universo de delegados habilitados, nem se vai fazer referência nenhuma à participação ínfima.

Em 2009, o Governo Berlusconi exerceu idêntica pressão para arrancar do Parlamento Europeu qualquer coisa que parecesse um endosso à sua vendetta. Daquela vez, o quórum foi ainda menor: 7,6% do plenário.

Isto não impediu que utilizasse descaradamente esse rato parido pela montanha como trunfo goebbeliano; nem que a mídia fizesse seu jogo, omitindo uma informação que até o mais inexperiente dos focas se lembraria de colocar no seu texto.


* Celso Lungaretti é jornalista, escritor e ex-preso político.

Fonte: Naufrago da Utopia


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais