Mídia

17 de setembro de 2010 - 19h15

Cureau, a polêmica vice-procuradora, tenta intimidar CartaCapital


A revista CartaCapital, reduto isolado de jornalismo independente na grande mídia, virou alvo de intimidação de Sandra Cureau — a polêmica vice-procuradora-geral eleitoral. Na quinta-feira (16), ela encaminhou ofício a Mino Carta, diretor de redação e proprietário majoritário da revista.


A vice-procuradora, no ofício datado do dia 9 de setembro, cobra de CartaCapital "relação das publicidades do governo federal dos anos 2009/2010, os respectivos contratos, bem como os valores recebidos a esse título". Cureau dá à revista o prazo de cinco dias para que as informações sejam enviadas "sob pena de responsabilização nos termos do artigo 8º, parágrafo 3º, da Lei complementar nº75/93, cumulada com o artigo 330 do Código Penal".

Em entrevista a Bob Fernandes, do Terra Magazine, Cureau diz que apenas recebeu uma denúncia e abriu “um procedimento”, que foi encaminhado “para a Casa Civil da Presidência da República, para o Tribunal de Contas da União e para a CartaCapital”. A crer em suas palavras, a acusação beira a leviandade: a revista editada por Mino Carta “apoia o governo Lula e a candidatura de Dilma e para tanto receberia verbas do governo federal”.

Mino — que também conversou com Bob Fernandes — não passou recibo. “Isso é uma atitude indevida — não teria sentido sequer se fosse dirigida a mesma requisição às demais editoras do País”, declarou.

O ofício, segundo ele, “significa que a senhora Cureau entende que nós somos comprados pelo governo federal, via publicidade. Se ela se dedicasse, ou se dedicar, porém, à mesma investigação junto às demais editoras de jornais, revista, e outros órgãos da mídia verificaria, verificará, talvez com alguma surpresa, que todos eles têm publicidade de instituições do governo em quantidade muito maior e com valor maior do que CartaCapital”.

Mino agregou que, ao ser boicotado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, não houve preocupação semelhante. “Fomos literalmente perseguidos pela absoluta ausência de publicidade do governo federal”, lembra. “Alguém, inclusive na mídia, se incomodou com isso? Ninguém considerou esse fato estranho? Uma revista de alcance nacional não receber publicidade alguma enquanto todas as demais recebiam?”

Da Redação, com informações do Terra
  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais

29 | 24/04/2014

Falta de chuvas muda paisagem da represa do Jaguari

Brasil | 23/04/2014

Ministra do Supremo decide a favor de CPI exclusiva da Petrobras

Mundo | 23/04/2014

EUA: Executivos ganham 331 vezes mais do que um empregado médio

Mundo | 23/04/2014

Rússia: há que impedir a escalada da tensão no sudeste da Ucrânia

Geral | 23/04/2014

Morte de dançarino coloca em suspeita polícia militar do Rio