8 de setembro de 2009 - 3h30

Filiação: O Brasil tem pressa. Temos de agir, reafirma Protógenes


Foi com sabor de lançamento de candidatura que aconteceu em São Paulo nesta segunda (7), Dia da Independência, o ato público de filiação de Protógenes Queiroz ao PCdoB. Mais de 500 pessoas lotaram o auditório da Unip para saudá-lo. Ainda não há definição sobre a que cargo concorrerá, mas ele deixou claro que quer unir diversos setores da sociedade para enfrentar as questões que julga serem as mais graves no país: a corrupção e a desigualdade social. “O Brasil tem pressa. Temos de agir”, disse.


Priscila Lobregatte
Protógenes comemora novo passo Protógenes comemora novo passo
No final do ato, o delegado mais uma vez recebeu a visita de um agente da justiça. Desta vez o funcionário, que preferiu não se identificar, entregou-lhe uma queixa-crime movida pelo atual ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, devido à entrevista dada por Protógenes à revista Caros Amigos em dezembro do ano passado. Naquela edição, o delegado dizia que Stephanes, quando presidente do Banestado do Paraná, teria usado cheque pessoal para pagar fiança (de R$ 500 mil) de Vitor Hugo Nunes, envolvido com lavagem de dinheiro.

“Falei verdades consubstanciadas em provas”, explicou o delegado afastado da PF. E completou dizendo que “os sucessivos os atos de constrangimento têm se intensificado; isso demonstra a intenção desses setores que são minoritários na República. Mas no momento certo, a população vai dar a resposta que essa gente merece; 2010 está chegando”, declarou. Na semana passada, em coletiva de imprensa, Protógenes foi notificado a respeito de reabertura de processo administrativo movido a partir de ação de Paulo Maluf.

Protógenes disse ainda que “está cada vez mais estreito o meu espaço como agente público dentro da Polícia Federal” e que “meu caminho agora é o da vida político-partidária brasileira”. Questionado sobre o foro privilegiado que teria caso se candidate e vença as eleições para o parlamento, declarou: “não sou bandido, sou contra a imunidade parlamentar. Quando serve para proteger contra qualquer ação judicial, não é imunidade, mas impunidade parlamentar”. Ele disse ainda que hoje muitos quadros da Polícia Federal seguem seu caminho. “Diria que 99,9% dos colegas da PF estão imbuídos desse mesmo espírito, haja vista que o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Cláudio Avelar, também se filiou ao PCdoB”.

“Comunista, graças a Deus”

Falando ao público ainda durante o ato, Protógenes Queiroz brincou: “sou comunista, graças a Deus”. E ressaltou o papel do vereador Jamil Murad em sua decisão de se filiar. “Ele plantou essa semente”, contou. Lembrando ter participado do Grito dos Excluídos, durante a manhã, o delegado declarou que “neste dia 7 de setembro, quero começar meu trabalho para incluir os excluídos juntamente com o PCdoB e diversos setores da sociedade”.

Ao lado de representantes da maçonaria, de católicos e de ateus, o delegado defendeu “amplas alianças” para transformar estruturalmente o país. “O problema é que hoje os recursos não chegam a quem realmente precisa. Estou aqui hoje como quem responde ao chamado daquela música que diz: ‘foram me chamar, eu estou aqui o que é que há’”, colocou, lembrando da canção de Dona Ivone Lara. E parafraseou: “vocês me avisaram para pisar nesse chão político devagarinho”.

Lembrando os pontos de convergência entre os comunistas e a atual gestão federal, Protógenes disse que o “PCdoB cumpre seu papel ao apresentar um projeto de nação ao presidente Lula”. E ressaltou que “a proposta que o presidente encaminhou para o Congresso Nacional sobre o pré-sal consta em resolução do Comitê Central do PCdoB”.

O programa e nada mais


Renato Rabelo, presidente do PCdoB, contou como foi o processo de cerca de três meses que resultou na filiação de Protógenes. “Conversamos abertamente e apresentamos o nosso programa (socialista), não mais do que isso”. Para o dirigente, a “existência do PCdoB é uma exigência histórica”. Ele enfatizou que “não somos uma legenda de ocasião, de eleição, mas um partido que se dedica permanentemente à luta dos trabalhadores, do povo e da nação. Este encontro demonstra a responsabilidade mútua que tanto o partido quanto Protógenes têm com o projeto que defendemos”.

Para Rabelo, o delegado demonstrou que “é uma liderança de ideias, comprometido com o nosso país”. Ele criticou ainda o que julga ser um dos principais problemas do Brasil: “precisamos renovar nossas instituições porque ainda há partes podres, setores antidemocráticos e precisamos limpá-las. Foi isso que Protógenes começou a fazer com seu trabalho na Polícia Federal, uma luta contra os colarinhos-brancos, gente que acumula riqueza à custa da exploração dos demais, da especulação”.

Segundo o dirigente, “Lula iniciou um projeto nacional, mas ainda há obstáculos a serem superados”. Por isso, explicou que “2010 é uma espécie de encruzilhada em que ou o país avança continuando no caminho das mudanças, ou esse ciclo poderá ser interrompido”. Rabelo defendeu a “união de forças avançadas comprometidas com esse projeto” e disse que Protógenes “tem inserção em setores diferenciados da sociedade”. Por fim, colocou que “sua entrada nas fileiras do PCdoB nos fortalece e nos incentiva. Vamos juntos mudar o Brasil”.

Também saudaram a filiação de Protógenes Queiroz a presidente do PCdoB-SP, Nádia Campeão; o ministro do Esporte, Orlando Silva; o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE); a deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG); os deputados estaduais Álvaro Gomes (PCdoB-BA) e Pedro Bigardi (PCdoB-SP); o vereador Jamil Murad, o presidente da UNE, Augusto Chagas; o vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana; o presidente da Associação dos Delegados de Polícia de São Paulo, Sérgio Roque e Benedito Marques, da Maçonaria Unida por São Paulo, entre outros.

De São Paulo,
Priscila Lobregatte


Leia e assista também:

Protógenes convoca para ato público de filiação ao PCdoB

Protógenes explica por que escolheu o PCdoB

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais