Os abutres comemoram a condenação de Lula

As reações do FMI e do mercado financeiro à confirmação da condenação de Lula pelo TFR-4, em Porto Alegre, são reveladoras dos interesses da especulação financeira envolvidos naquele julgamento: o objetivo de afastar Lula da eleição de 2018, para atender aos interesses da ganância especulativa, que abocanha quase metade do orçamento da União, na forma de juros e rolagem da dívida do governo e, para isso, pressiona pelo corte nas despesas públicas, como por exemplo na Previdência Social. A especulação financeira quer ter as mãos livres para agir na pilhagem dos recursos públicos. E pretende manter o programa de austericídio econômico de Michel Temer e Henrique Meirelles.

O relatório do FMI divulgado nesta quinta-feira (25) não disfarça a preocupação com a eleição de outubro, cujos rumos influirão na previsão de crescimento econômico para o Brasil, diz sem disfarces. “Um processo eleitoral com maior nível de conflito gera mais incerteza”, disse Alejandro Wermer, o economista que comanda as análises sobre a América Latina. A causa da preocupação, mostram suas declarações, é a necessidade de que sejam aprovadas e efetivadas as reformas reacionárias de Temer, como a da Previdência e a trabalhista. “É mais importante que se faça bem do que se faça rápido”, disse. “Um atraso de quatro ou cinco meses em sua aprovação portanto não seria tão relevante caso seja bem feita e consiga controlar o deficit previdenciário – que foi de R$ 268 bilhões em 2017”.

Os sinais do mercado financeiro, mais imediatista, foram de euforia, vista na queda do valor do dólar e na alta do índice Bovespa, que atingiu recordes históricos, influenciado pelo resultado de Porto Alegre, que confirmou a condenação de Lula. O Bovespa atingiu o número recorde de 85.287 pontos. E o valor do dólar, por sua vez, em tendência de queda, chegou a R$3,12, atingindo o menor nível desde setembro, e pode cair ainda mais. Essa queda é valorizada pelo mercado financeiro pois favorece o capital especulativo envolvido na importação de mercadorias, e prejudica a indústria e a produção brasileiras, que ficam expostas à concorrência externa.

Essa queda no valor do dólar, diz o jornal Valor Econômico, refletiu também a condenação de Lula e a redução das chances de sua candidatura ser mantida.

Essa comemoração ilustra, de forma imediata e visível nas oscilações da Bolsa de Valores e na cotação do dólar, o aspecto crucial da luta social e política em curso no Brasil, que opõe os setores ligados à produção (trabalhadores e empresários) contra os abutres da especulação financeira. Os defensores do desenvolvimento nacional contra os partidários do atraso e da rendição ao imperialismo.




Publicidade