Luciano Siqueira

Sinais de decepção no horizonte

Com a ressalva de que sempre vale um olhar crítico diante de pesquisas, os dados da sondagem CNT/MDA, recém-divulgados, devem estar incomodando o governo Bolsonaro.

Embora 57,5% da população ainda apóiem o presidente — com apenas dois meses de governo seria catastrófico se assim não ocorresse —, apenas 39% avaliam positivamente o governo.

De quebra, 75,1% consideram que os três filhos do presidente não devem se intrometer no governo, como fazem ostensivamente.

Diante de números negativos, ou insuficientemente positivos, nunca falta quem atribua à comunicação a "culpa" ou o dom de reverter rapidamente a situação.

Uma boa comunicação institucional conquista a opinião pública, dizem.

Mas não é bem assim. A propaganda não faz milagres, é preciso que o produto seja bom.

Um dilema do governo Bolsonaro é justamente esse: não há como ser bom para a maioria, tal a natureza do seu programa ultra liberal.

Analistas isentos questionam a viabilidade de políticas ultra liberais em países periféricos, mesmo quando considerados emergentes, como o Brasil.

O que implica em rejeição por parte da maioria da população. E, no caso do atual governo, o programa não foi apresentado na campanha eleitoral e só agora é que vem à tona com a marca de antipopular.

Além disso, um dos pilares da propaganda eleitoral do atual presidente — o rigor com o uso dos recursos públicos — vem sendo minado com incrível rapidez, envolvendo seu partido, ministros e o próprio clã Bolsonaro.

O clã, contrariando os mais de 75% dos entrevistados na dita pesquisa, se constitui num dos núcleos do governo, batendo cabeças com a “turma da farda”, a “turma da toga” e os “Chicago boys” alojados no Ministério da Economia.

Para um presidente que em quase trinta anos de vida parlamentar jamais construiu alguma coisa relevante, nem se envolveu com a dinâmica legislativa, e por isso mesmo mostra-se insensível a uma boa relação com o Congresso (sequer dispõe de líderes de bancadas de apoio e de governo hábeis e respeitados), o período pós-carnaval virá carregado de dificuldades.

E em perspectiva, num processo gradual e cumulativo, a decepção da maioria dos brasileiros poderá emergir como combustível para uma inevitável e necessária resistência oposicionista no parlamento e nas ruas.

* Médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Portal Vermelho



Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS