As Cartas do Pai por Ivan Cosenza

O Sexo Forte

Rio de Janeiro, 13 de Março de 2018

Pai,

Sempre que passa o dia das mulheres, lembro quando me contou que não entendia porque elas eram chamadas de sexo frágil.

Também, sua referencia era a vó Maria né!

Tem que ser muito forte pra criar oito filhos, sendo três hemofílicos, que não podiam se machucar. O que pra qualquer outro era um pequeno corte, pra vocês poderia ser a morte! Não podiam cair, se cortar, nem carregar muito peso.

Lembro que me dizia que sempre achou que a mulher era o sexo forte, pois elas que podiam correr, carregar peso, se machucar (e só limpavam o corte e aí já estavam bem de novo). Que o homem que era o sexo frágil, já que nem você nem o Betinho nem o Chico Mário podiam fazer nada disso, por causa da hemofilia. Fortes eram a Tanda, a Wanda, a Zilá, a Glorinha e a Filó.

Acho que os outros homens também acreditam na força superior das mulheres, testam sempre a capacidade delas de suportar a dor, e de aguentar serem maltratadas. Deixam nas costas delas cuidar da casa e da família sozinhas, mesmo quando elas trabalham fora também. E vai ver que por acharem elas mais fortes, pagam menos pelo mesmo trabalho.

Os homens evitam colocar elas à frente das coisas, em cargos de chefia, com medo delas tomarem o comando de tudo. Das empresas, dos governos e por fim, dominarem o mundo!

Acho que é medo, pai!

As coisas estão mudando, mas ainda tem muito o que melhorar, afinal elas merecem!
Nós merecemos!

Um beijo para todas as nossas mulheres.

Seu filho

Ivan

* Produtor cultural, presidente do Instituto Henfil, filho e curador da obra de Henfil




Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS