Urariano Mota

Adalberto Monteiro, poesia lírica de São Paulo

Sobre o livro “Pé de Ferro e outros poemas”, publicado pela Fundação Maurício Grabois/Anita Garibaldi, neste 2017, tento comentar: cada leitor faz de um livro de poemas o seu livro pessoal, num recorte. Este que segue é o meu.

Por Urariano Mota

O poeta Adalberto Monteiro , nascido no Piauí, criado em Goiás, há 15 anos amadurece em São Paulo. E nessa cidade ele redescobre poesia onde muitos imigrantes apenas veem angústia. Isso me espanta, mas é um bom espanto, o de crer que da sua poética vêm lições de vida.

“Pé de Ferro e outros poemas” é um livro para ser lido em casa, no avião, no ônibus ou no metrô. Para ser lido enquanto se bebe sozinho em um bar. E ficar de vez em quando a meditar olhando a janela, o outro lado da rua, cotovelos apoiados em uma mesinha. Para ser lido em todo lugar do cotidiano. Nada solene. Ontem, eu li os poemas pela terceira vez no ônibus que me levava ao barbeiro Carlos, que trabalha no berço que chamam de bairro de Água Fria. Ao chegar à sua barbearia, na Rua da Japaranduba, ao lado do Mercado Público, eu li este poema em voz alta para ele:

“À boca da República...”

E esclareci antes de continuar:

- Carlos, essa República é o nome de uma grande praça de São Paulo e de estação de metrô. Escute agora com atenção:

“Até ontem era uma menina.
Está descalça, mas usa meias,
Que combinam com a sua calça cáqui.
À moda dos piratas,
Um lenço grafite amarrado na cabeça.
Está suja sim, mas não imunda.
Na sarjeta, um resto de elegância,
Um fragmento de vaidade,
Uma raiz de dignidade.
Um broto novo da árvore da vida
Tenta sobreviver às pragas.
Mas seu corpo esguio tremula muito.
E no seu rosto belo, moreno,
Há tanto pânico, tanto medo,
Que não sei se ela conseguirá.
Uma brasileira às portas da juventude
Agoniza
À boca da estação República”.

E o melhor barbeiro do Recife, que ninguém sabe, porque ele trabalha em bairro popular, me respondeu:

- Muito bonito.

Mas ele viu nos meus olhos que a sua frase era insuficiente. Então ele completou:

- Ele fala muito com poucas palavras. É bonito.

E como se a poesia fosse minha, ele me deu um abraço.

Observo agora nestas linhas que Adalberto Monteiro faz poesia de São Paulo. Quero dizer, com temas e cenários paulistanos ele faz poesia. Para mim, é uma grata surpresa o poeta descobrir lirismo em uma cidade tão inóspita à comunicação humana. Adalberto Monteiro faz poesia como aqui, nestes versos mais que bonitos:

“À beira do lago,
uma família operária em piquenique.
A toalha vermelha
Estendida no gramado.
O pai oferece uma coxa de frango
Para uma garotinha que a morde
Com a melhor boca deste mundo”.

Às vezes parece que o poeta não tem o desconforto de São Paulo. É quando ele revela a felicidade naqueles vazios de humanidade, mas tão cheios da felicidade de trabalhadores:

“Na esquina da Eça

Eça de Queiroz
Esquina
Com a Cubatão.
Domingo.
Na calçada de um bar
Um filho corta a passarinho
A metade de um galeto assado.
O velho pai
Enquanto abastece os copos
Abre um sorriso.
E o rapaz
É só felicidade”.

Em mais de um poema, observo em Adalberto Monteiro o mesmo sangue e família do poeta José Amaro, um amigo, militante socialista que perdi. Será que o parentesco vem da ideologia comum a ambos? Ou será, mais precisamente, uma esperança e fraternidade que revê o ruim mas alimenta um futuro que poucos veem?

De José Amaro, lembro um poema como este:

“Vivo semeando o sonho
Do fim da pobreza
De todas as crianças terem o direito
De brincar e sorrir
Vivo a semear o sonho
Do nascer igual
Perante a natureza dos homens’”.

Em Adalberto Monteiro:

“Desacorrentado,
O cão corre desatinado
E deixa nas areias da praia
Os rastros da liberdade”

Do poema “Hugo Chávez” destaco o verso, um raro achado, que utilizei no conto “Um Amor Vermelho como antes” que publiquei na semana passada: “Um rubro roseiral bolivariano”. Aliás, nesse conto me permiti a liberdade de transferir a autoria de um poema inteiro de Adalberto Monteiro para o poeta João, que tentava conquistar o amor da sua maturidade. Foi este:

“Aquilo que amamos
Deposita-se
Do mais profundo da gente.
E mesmo que o tempo
Empurre esse sentimento
Para o poço
Do esquecimento,
Um dia
Como algo
Que se desprega
Do fundo dos oceanos
Ele salta à superfície”

Penso que falar ou escrever sobre poesia deve ser feito pelo destaque aos poemas que impressionam a sensibilidade da gente. Poderão até dizer “assim é fácil”. Compreendo essa crítica no seu sentido mais negativo. Ela quer dizer “mostre que você é bom na teoria, no verbo, na escrita para falar de um poeta. Mostre que é crítico sério e culto”. Compreendo. Eu, que não sou bom nem razoável de conhecimento erudito, valho-me do que tenho, a saber, uma sensibilidade apenas. Isso por um lado. Por outro, e agora num sentido de quem já passou pela experiência, pergunto aos que me fazem o reparo de pegar o caminho mais fácil. Tentem falar sobre música sem a própria música. Tentem. Tentem falar sobre pintura sem o quadro mesmo. Tentem. E depois, porque semelhante pretensão é irrealizável, perceberão que falar de um poema sem a transcrição do próprio é o mesmo que abrir pano azul sobre o céu azul. Como se o mostrasse mais belo. Algo como obscurecer o extraordinário soneto Só, de Cruz e Sousa. Poesia eterna e única, é impossível escrever melhor sobre o poema, em qualquer língua, a não ser pela transcrição deste grito de revolta:

“SÓ!

Muito embora as estrelas do Infinito
Lá de cima me acenem carinhosas 
E desça das esferas luminosas 
A doce graça de um clarão bendito; 

Embora o mar, como um revel proscrito, 
Chame por mim nas vagas ondulosas 
E o vento venha em cóleras medrosas 
O meu destino proclamar num grito, 

Neste mundo tão trágico, tamanho, 
Como eu me sinto fundamente estranho 
E o amor e tudo para mim avaro... 

Ah! como eu sinto compungidamente,
Por entre tanto horror indiferente, 
Um frio sepulcral de desamparo!”

Assim é fácil, sei que falam. Mas essa é uma facilidade que marca para sempre todo jovem desesperado, desde que o mundo é mundo Assim é fácil. No entanto, é da experiência saber que o lirismo de Adalberto Monteiro se alimentou e se alimenta de outros poetas, dos quais sinto eco em muitos versos. Como estes, de Alberto da Cunha Melo:
“CASA VAZIA

Poema nenhum, nunca mais,
será um acontecimento:
escrevemos cada vez mais
para um mundo cada vez menos,

para esse público dos ermos
composto apenas de nós mesmos,

uns joões batistas a pregar
para as dobras de suas túnicas
seu deserto particular,

ou cães latindo, noite e dia, 
dentro de uma casa vazia”

Ou na voz de Adalberto Monteiro:

“INDIFERENÇA

Não te entristeças, poeta,
Com a indiferença e a frieza
Com que o mundo recebe
Teu livro novo.....”

Para nossa felicidade, tanto o pernambucano Alberto da Cunha Melo quanto o piauiense Adalberto Monteiro muito se enganam. A sua poesia é para ninguém, somente no sentido de que é para todos.

Os poetas, enfim, nos ensinam muito. Sem Adalberto Monteiro, eu não saberia que é possível o lirismo em São Paulo. Obrigado, poeta. Aprendi que a poesia existe e resiste nos trabalhadores e perseguidos da cidade:

“IBIRAPUERA ...

À beira do lago,
uma família operária em piquenique.
A toalha vermelha
Estendida no gramado.
O pai oferece uma coxa de frango
Para uma garotinha que a morde
Com a melhor boca deste mundo”.

E me recolho à minha insignificância.

* Jornalista do Recife. Autor dos romances “Soledad no Recife”, “O filho renegado de Deus” e “A mais longa duração da juventude”




Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS