10 de Setembro de 2017 - 21h11

Valor inestimável

Eduardo Bomfim *

No 7 de setembro, a comemoração da independência do Brasil reveste-se de um valor inestimável. Só quem continua a lutar pela libertação da sua pátria, em algumas partes do mundo, sabe o significado de se ter a sua terra livre da escravidão colonial ou neocolonial.


Na hegemonia do Mercado financeiro rentista, existe uma intensa tentativa de se constituir entre as novas gerações um desdém, quando não aversão, ao espírito de pertencimento a um povo, uma nação livre e soberana.

E, em seu lugar, a falsa ideia de que todos somos cidadãos globais, que essa ideia de pátria, território, identidade cultural é coisa ultrapassada.

O bombardeio da grande mídia hegemônica, associada ao capital financeiro especulativo, à sua governança mundial, busca desconstruir o sentimento nacional entre a população, anular o espírito comum de brasileiros.

Na verdade, a única globalização é a do Mercado rentista que avança sobre as riquezas dos povos, seus ativos financeiros, indústrias, estatais estratégicas, a própria integridade territorial.

Os patrimônios culturais inestimáveis das nações, como no Brasil, são tratados com absoluto desdém, quando não combatidos agressivamente para repor em seu lugar uma ideologia desse próprio Mercado, pasteurizando gostos, consumo, conceitos, movimentos, todos difundidos através das mídias hegemônicas que fazem parte dos interesses e projetos da globalização financeira, na maior ofensiva de alienação coletiva em todos os tempos.

Parte da intelectualidade, inclusive acadêmica, encantou-se, de uma forma ou de outra, pelos desígnios do Mercado e sua ideologia, enquanto outra falsa “intelectualidade” é produzida nos laboratórios dos centros “globais” e vendida como referências politicamente corretas dos tempos contemporâneos, assimilada de forma absolutamente acrítica.

Confundem propositalmente a importância da cultura universal, da qual devemos incorporar todas suas contribuições inestimáveis, com a massificação mercantilizada, colonizada das sociedades, de forma criminosa.

José Bonifácio, arquiteto e patriarca da independência do Brasil, gênio de sua época, sempre buscou construir uma espécie de cimento que desse sentido à reunião e um propósito coletivo aos brasileiros. Hoje, mais que nunca, essa luta continua na ordem do dia como resistência inadiável.

* Advogado

* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR