Carlos Pompe

Sob a bandeira de Lênin

Em 7 novembro de 1917 (25 de outubro, pelo antigo calendário russo), foi aberto, em Moscou, o 2º Congresso dos Sovietes e Vladimir Lênin, principal líder do Partido Bolchevique, foi eleito presidente do Conselho dos Comissários do Povo. Pela primeira vez, os marxistas alcançavam o poder.

Além das mudanças radicais que aconteceram no território russo e, depois, na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e, mais tarde, nos países do Leste europeu e alguns da Ásia, a Revolução Russa influenciou o pensamento progressista de todo o mundo – mesmo onde nunca os revolucionários chegaram ao poder. Na esteira de seu sucesso, partidos foram fundados em inúmeros países, seguindo o modelo proposto por Lênin. Inclusive em nosso país, onde, apenas 5 anos após aquele evento, foi fundado o Partido Comunista do Brasil.

Assim como serviu de inspiração para as esquerdas de todos os continentes, a vitória dos bolcheviques também motivou a formação de uma santa aliança direitista que os fustigou militar, política, econômica e ideologicamente, dentro e fora de seus domínios, enquanto estiveram no poder. A União Soviética, que decorreu da Revolução Russa, deixou de existir em 1991 devido, principalmente, às contradições internas no país e no Partido ao longo de sua história. Também as outras experiências socialistas europeias deixaram de existir sem que isso fosse resultado de alguma invasão armada estrangeira. China, Vietnã, Coreia do Norte e Cuba – neste país latino-americano, revolucionários tomaram o poder em 1959 – continuam suas experiências de construção nacional tendo à frente partidos que se afirmam inspirados no leninismo.

As divergências que ocorreram dentro do Partido de Lênin, em especial após a sua morte, também influenciaram o movimento progressista mundial. Uniões e dissensões ocorreram, e ocorrem, ao longo das décadas, em organizações onde suas lideranças reivindicam a fidelidade ao caminho indicado pelo líder da Revolução de 1917.

Neste novembro de 2013, o PCdoB realiza seu 13º Congresso afirmando sua opção por forjar um “partido de caráter leninista para a contemporaneidade”. Nas discussões realizadas pela militância, em reuniões ou na Tribuna de Debates, todos os manifestantes reafirmaram o leninismo, embora com visões diferentes de como ele deva ser aplicado à realidade atual. Mas não houve quem renunciasse ao legado de Lênin. Disse o presidente dos comunistas, Renato Rabelo: “O PCdoB – nesta fase de sua direção na quarta geração – conseguiu situar e determinar, num esforço baseado na teoria marxista-leninista, compreendendo a realidade do atual período histórico, uma visão que embasa nosso pensamento tático e estratégico, definida no conceito: a acumulação estratégica de forças, cujo objetivo é a conquista da hegemonia dos trabalhadores e das camadas populares, configurado no poder estatal de caráter democrático-popular, visando à transição ao socialismo”.

No Brasil e no mundo, ocorrem inúmeras formas de luta e movimentos de resistência ao capitalismo. Mas as orientações das lutas populares são distintas e não há hegemonia clara de nenhuma corrente política organizada, declare-se ou não marxista. Mas neles atuam também os que marcham sob a bandeira de Lênin .

Inspira-os as vitórias alcançadas mesmo em momentos tão adversos, como foi a invasão da União Soviética pelos nazistas, em 1941. A Revolução Bolchevique completava, então, 24 anos. Em 7 de Novembro, com os exércitos nazistas às portas de Moscou, Stálin decide ficar na capital e resistir ao ataque dos invasores. Como observa o professor Miguel Trujillo, “para manter o moral do povo e dos soldados, Stálin decide realizar o desfile anual das tropas na Praça Vermelha. Mantido em segredo até o último minuto, os soldados que dele participam saem da Praça diretamente para o campo de batalha, onde com certeza grande parte deles perdeu a vida. Mas salvou a humanidade dos nazistas. A Batalha de Moscou foi a primeira grande derrota dos exércitos nazistas, e parou o avanço alemão na frente leste. A grande virada da II Guerra viria ano e pouco depois, com a Batalha de Stalingrado”.

Stálin faz um discurso, que pode ser visto no link abaixo (são 7 minutos de discurso, com legendas em espanhol, e 7 minutos de desfile das tropas e seus armamentos) conclamando: “Sob a bandeira de Lênin, adiante até a vitória!”
Sigamos.

http://www.youtube.com/watch?v=1j8xakBb3So

Segundo os historiadores, o inverno de 1941 foi o mais frio do século, até então. Fazia - 40º Celsius na praça vermelha.




* Jornalista e curioso do mundo.

Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.



Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS