João Guilherme Vargas Netto

Escorrega do bolsonarismo, cai no liberalismo

Há um substrato no bolsonarismo que é o seu apoio do mercado e do rentismo configurado, por exemplo, na manchete da entrevista dele no domingo, 6 de outubro, às jornalistas Tânia Monteiro e Andreza Matais do Estadão: “Economia é 100% com Guedes e não tem plano B”.

Portanto fica combinado que não basta resistir e atacar o radicalismo bolsonarista; é preciso resistir e atacar a nefanda política econômica dele que não está nem aí para o desemprego avassalador e despreza o movimento sindical.

Alguns dirigentes ao se contraporem corretamente ao GAET – Grupo Assumido de Entraves Trabalhistas – aceitam mudanças na Constituição que facilitam a desestruturação no mundo do trabalho segundo critérios liberais da famigerada Convenção 87 da OIT. O primeiro impulso é correto, mas o segundo é um desastre.

Contrapor-se ao GAET e à sanha demolidora de Rogério Marinho é necessário até mesmo para congelar a coceira negocista de alguns que queriam nele participar sem nem mesmo serem convidados.

Mas, no Congresso Nacional, que é o palco principal da luta política e institucional os malefícios do bolsonarismo (facilmente identificados e contestados) estão entrelaçados com as armadilhas do liberalismo econômico, mais difíceis de serem evitadas.

Não é possível, por exemplo, afrouxar a luta em defesa da política de valorização do salário mínimo que foi vantajosa para milhões de trabalhadores e para a sociedade e foi o maior feito das centrais sindicais brasileiras do século XXI.

A resistência com a Constituição deve ser o fio condutor de toda e qualquer participação nossa, do movimento sindical, nas discussões, nas negociações e nas proposições.

Alguns resultados positivos – com nossa participação ou não – demonstram que há contradições a serem exploradas e resultados que podem ser obtidos sem que se abra mão dos direitos constitucionais, mesmo em uma correlação de forças extremamente favorável ao liberalismo e à sanha antissindical, que deve ser levada em conta. O que não se deve é escorregar do bolsonarismo e cair no liberalismo.

* É consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Portal Vermelho



Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS