Zillah Branco

Como diria Bertolt Brecht: Não queres continuar a trabalhar conosco

Segue abaixo um poema atualíssimo de Bertolt Brecht. Penso no Brasil, na Venezuela, em Cuba, na China, em todas as nações que lutam hoje contra o imperialismo, mesmo no povo norte-americano, no inglês, no francês, no alemão que, como os do Oriente Médio e demais territórios deste vasto mundo, vivem a crise insolúvel dos sistema nacionais do capitalismo.

Não queres continuar a trabalhar conosco

Ouvimos dizer: não queres continuar a trabalhar conosco.
Estás arrasado. Já não podes andar de cá para lá.
Estás muito cansado. Já não és capaz de aprender.
Estás liquidado.
Não se pode exigir de ti que faças mais.

Pois fica sabendo:
Nós o exigimos.

Se estiveres cansado e adormeceres
Ninguém te acordará nem dirá:
Levanta-te, está aqui a comida.
Porque é que a comida havia de estar alí?
Se não podes andar de cá para lá
Ficarás estendido. Ninguém
Te irá buscar e dizer:
Houve uma revolução. As fábricas
Esperam por ti.
Porque é que havia de haver uma revolução?
Quando estiveres morto, virão enterrar-te
Quer tu sejas ou não culpado da tua morte.

Tu dizes
Que já lutaste muito tempo. Que já não podes lutar mais
Pois ouve:
Quer tu tenhas culpa ou não:
Se já não podes lutar mais, serás destruído.

Dizes tu: Que esperaste muito tempo. Que já não podes
ter esperança.
Que esperavas tu?
Que a luta fosse fácil?

Não é esse o caso:
A nossa situação é pior do que julgavas.

É assim:
Se não a levarmos a cabo o sobre-humano

Estamos perdidos.
Se não pudermos fazer o que ninguém de nós pode exigir
Nos afundaremos
Os nossos inimigos só esperam
Que nós nos cansemos.

Quando a luta é mais encarniçada
É que os lutadores estão mais cansados.
Os lutadores que estão cansados demais, perdem a batalha.

Bertolt Brecht

* Cientista Social, consultora do Cebrapaz. Tem experiência de vida e trabalho no Chile, Portugal e Cabo Verde.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Portal Vermelho



Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS